Começa às 18h00 de sábado e acaba às 18h00 de domingo. Este fim de semana, o Porto vai estar ligado a Olinda/Recife (Brasil), Santander (Espanha) e Amersfoort/Utrecht (Holanda) para uma maratona de programação que desafia programadores, designers, criativos e empresários dos quatro pontos do mundo a desenvolverem aplicações para melhorar a qualidade de vida nas cidades. Em simultâneo. Em 24 horas, os participantes vão ter de criar soluções com impacto local e usando tecnologia big data fornecida pelos responsáveis.

O desafio chama-se Hackacity e já vai na segunda edição. A primeira, organizada pela 7Graus — uma empresa portuguesa especialista no desenvolvimento e distribuição de conteúdo online, que em 2015 faturou 2,3 milhões de euros e cresceu 408% — e pela Câmara Municipal do Porto, pôs 40 criativos a desenvolverem 10 apps na cidade do Porto, em junho do ano passado. Este ano, o desafio mantém-se, mas é alargado a outros pontos do mundo. A 27 e 28 de maio, os empreendedores portugueses, brasileiros, espanhóis e holandeses programam em simultâneo.

Temos os dados, temos a tecnologia. Faltam as pessoas para implementar soluções”, diz Rui Marques, diretor executivo da 7Graus.
As soluções que os responsáveis procuram podem cobrir vários aspetos e serviços da cidade, como cuidados de saúde, gestão de tráfego e estacionamento e informação turística. O objetivo é “contribuir para a ligação e modernização de infraestruturas, tecnologias e serviços dos principais setores urbanos, melhorando a qualidade de vida, competitividade e sustentabilidade das cidades” em que o desafio decorre.

O evento conta com o apoio da Comissão Europeia, da plataforma Fireware — um software que providencia aos concorrentes um conjunto de interfaces de programação para apps que facilitam o desenvolvimento de “aplicações inteligentes” para diferentes domínios, segundo os responsáveis —, da iniciativa Open & Agile Smart Cities, do projeto GrowSmarter e da Ubiwhere, que fornece aos participantes apoio técnico e dados relativos à mobilidade, turismo, ambiente e segurança das cidades.

As inscrições para o evento encerram esta quarta-feira, 25 de maio, e os prémios já são conhecidos: os programadores que desenvolvam a melhor solução serão premiados com um smartwatch Pebble Time. Para os segundos e terceiros classificados, estão reservados um computador Raspberry — concebido para a aprendizagem de programação — e uma Nerf Gun, respetivamente. A atribuição dos vencedores será feita por um júri de três elementos, composto por Paulo Calçada, chefe do departamento de Inovação da Câmara Municipal do Porto, Ricardo Vitorino, da Ubiwhere, e Rui Marques, líder executivo da 7Graus.