Pelo menos 186 pessoas morreram na sequência de inundações perto do rio Yangtse, no centro da China, nos últimos dias, numa altura em que aumentam os receios face à aproximação de um tufão no leste do país.

Os números, avançados pelo jornal South China Morning Paper e citados pela revista TIME, indicam ainda que pelo menos 45 pessoas estão desaparecidas.

Nas mortes, incluem-se oito pessoas que terão sido enterradosa vivas após o colapso da parede de uma fábrica, devido às inundações.

Cerca de 16 milhões de pessoas foram afetadas pelas chuvas torrenciais que recentemente estiveram na origem de inundações de vastas zonas à volta do principal rio da China, informou o jornal Xin Jingbao (Beijing News), citando o ministério dos Assuntos Civis local.

As águas do imenso lago Taihu, não longe da metrópole de Xangai, atingiram o nível mais elevado desde 1954 e a região enfrenta “sérios” riscos de inundação se for atingida pelo tufão, acrescenta o jornal.

As redes sociais locais difundiram imagens aparatosas, tais como um imenso estádio de Hubei (centro) transformado em “banheira gigante”, ou a de um agricultor que se desfaz em lágrimas perante a iminente ameaça do nível das águas a cerca de seis mil suínos.

O observatório meteorológico nacional chinês emitiu na semana passada um alerta laranja – o segundo mais elevado em quatro níveis – para as tempestades no sul e leste da China.

As inundações afetaram igualmente outros países do sudeste asiático esta semana, causando pelo menos 33 mortos no Paquistão e 25 na Índia, na sequência de chuvas torrenciais.