Quase 55 milhões de litros de vinho foram colocados no mercado, nos primeiros seis meses deste ano, com o “selo” da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA), mais 1,2% do que em igual período de 2015.

Segundo dados divulgados esta quarta-feira pela CVRA, com sede em Évora, desde o início do ano e até 30 de junho, o organismo certificou 54.923.563 de litros de vinho, produzidos pelos 204 vitivinicultores controlados.

A CVRA adianta que, no primeiro semestre do ano, fez análises de laboratório e exame sensorial a 2.742 lotes de vinho e apreciou 3.519 rotulagens, com o objetivo de garantir a origem e confirmar a qualidade dos néctares.

No balanço do processo, acrescenta o organismo, resultou a reprovação de 2,8% dos lotes avaliados, que não podem ser vendidos com o selo de garantia atribuído pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.

Realçando que o mercado nacional absorve cerca de metade dos vinhos por si certificados, a CVRA assinala que a exportação “é determinante” e que o número de exportadores aumentou para 140 nos primeiros seis meses deste ano.

“Para a América do Norte, houve um aumento de 10 exportadores, mas a redução na exportação para Angola fez diminuir em sete o número de exportadores para o continente africano. Já para a China, houve mais seis exportadores”, indica.

O organismo explica que a descida das exportações para fora da União Europeia (UE) está relacionada com o facto de, no período de janeiro a junho de 2015, grande parte das vendas ter estado alicerçada no desempenho de Angola, que representou 28% do total, acompanhada pelo Brasil, que pesou 25% do total.

Este ano, segundo a CVRA, estes dois mercados desceram 63% e 27%, respetivamente, empurrando as exportações para fora da UE para uma baixa de 14%, representando menos 745 mil litros face a igual período de 2015.

Em sentido contrário, estão os países asiáticos, nomeadamente China e Japão, com aumentos de 82% e 440%, respetivamente, assim como a Rússia, que também aumentou em cerca de 100% face ao ano passado.

Estes mercados foram os que tiveram maiores crescimentos e, em conjunto, representaram 25 por cento das exportações para fora da UE, mas, nos primeiros seis meses do ano, os EUA e o Brasil assumiram-se como os principais destinos fora da UE, ainda que com variações negativas face a igual período de 2015.

O Alentejo é a região líder no mercado nacional, quer na quota de mercado em volume (47%), quer em valor (46%), de acordo com a comissão vitivinícola, que cita os dados Nielsen na categoria de vinhos engarrafados de qualidade com classificação DOC (Denominação de Origem Controlada) e IG (Indicação Geográfica).

Os vinhos do Alentejo juntam 1.900 produtores de uvas e 235 empresas que comercializam vinhos com a garantia de origem e qualidade atestada pela CVRA.

A área de vinha aprovada para produção de vinhos DOC Alentejo e Regional Alentejano totaliza 22.315 hectares. A área de vinhos DOC Alentejo é de 15.445 hectares.