Petição pelo fim dos dinheiros públicos à tauromaquia discutida hoje

A associação que luta pelos dieitos dos animais quer o fim das touradas no país mas, não sendo possível que isso aconteça num futuro próximo, intensifica a luta pelo fim do financiamento público da atividade.

421

Até hoje, mais de 30 mil pessoas assinaram a petição da associação ANIMAL ‘Proibição de subsídios públicos a atividades tauromáquicas’ que vai ser discutida hoje na Assembleia da República, no último plenário da sessão legislativa.

Para Rita Silva, Presidente da ANIMAL, “quem quer organizar e assistir a espetáculos tauromáquicos enquanto eles ‘ainda’ são legais, que assista, mas que os pague do seu próprio bolso”. E prossegue: “A tauromaquia é uma atividade insustentável por si só, e os próprios aficionados sabem-no bem. A partir do momento em que o investimento público (direto ou indireto) cessar, ela cai irremediavelmente, sem possibilidade de recuperação.”

Para a defensora da causa dos animais, é “vergonhoso” que os municípios não tenham um gabinete de apoio à vítima e que não invistam em ações de apoio a tantos outros flagelos sociais e que, em vez disso, financiem uma atividade que não é minimamente consensual. “Pelo contrário, é uma atividade cada vez mais polémica e rejeitada pela população”,acrescenta a dirigente”.

Embora a associação saiba que a tauromaquia vai acabar nos próximos anos e que estejam paralelamente a trabalhar diretamente para a abolição, esta campanha em particular refere-se ao fim do apoio financeiro público às touradas. “Não há, portanto, uma única boa razão para que os partidos que “têm autarquias aficionadas” tenham medo de fazer o que é certo”, termina Rita Silva.

Tanto o Bloco de Esquerda, como o PAN e os Verdes vão apresentar projetos de lei a respeito deste assunto.