De acordo com a síntese da execução orçamental até junho hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), entre janeiro e maio deste ano, entraram nos cofres do Estado 18.373 milhões de euros só em impostos, sendo que 10.869,6 foram de receitas de impostos indiretos e 7.503,4 milhões de euros foram de receitas de impostos diretos.

O aumento de 8,7% da receita dos impostos indiretos foi explicado pelo “desempenho favorável na cobrança da generalidade destes impostos”, segundo a DGO,

Quanto ao Imposto sobre o Tabaco (IT), a DGO esclarece que “o aumento da receita em 52,9% foi influenciado pelo efeito normal de baixa introdução no consumo no início do ano económico de 2015, e que não tem correspondência em 2016 devido à entrada em vigor do OE apenas no final de março”.

Já o aumento de 15% do Imposto sobre Veículos (ISV) deve-se ao “forte incremento que se tem vindo a verificar desde o ano transato nas vendas de veículos automóveis, admitindo-se ainda que os operadores tenham antecipado a regularização de veículos para antes da entrada em vigor do OE para 2016”.