Cerca da 8:44 hora de Lisboa, das 18 cotadas no principal índice bolsista português, oito subiam, sete desciam e três mantinham-se inalteradas, o BPI em 1,118 euros, a Pharol em 0,79 euros e a Sonae Capital em 0,592 euros, numa sessão em que as homólogas europeias estavam mistas.

A retalhista Jerónimo Martins subia 3,71 euros, para 15,10 euros, seguida pelo BCP que avançava 1,615, para 0,0189 euros, na véspera de serem conhecidos os seus resultados e os testes de stress, enquanto a NOS valorizava 0,95%, para 6,185 euros.

A contrariar as subidas, destacavam-se as empresas do setor da energia, Gap, a cair 0,12%, para 12,22 euros, EDP Renováveis, que recuava 0,13%, para 7,156 euros, e a REN que perdia 0,15%, para 2,693 euros, e a EDP que deslizava 0,36%, para 3,014 euros.

No setor financeiro, a Caixa Económica Montepio Geral estava a ceder 0,42%, para 0,475 euros.

Na quarta-feira, a NOS divulgou um lucro no segundo trimestre de 26 milhões de euros e um EBITDA (lucros antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) de 149 milhões de euros, que comparam com os 30 milhões de euros e os 148 milhões de euros estimados, respetivamente.

Já a Jerónimo Martins reportou no segundo trimestre do ano um lucro de 95 milhões de euros, mais 12% face ao mesmo trimestre de 2015.

A Impresa avançou ter obtido no segundo trimestre um lucro de 3,7 milhões de euros, mais 5,1% face a igual período do ano anterior.

Após o fecho da sessão, a EDP, Altri, REN e a Cofina vão publicar as suas contas trimestrais.