Após dois anos de seca consecutiva, as populações das comunidades isoladas de Mértola, localizadas na margem direita do Guadiana, sofrem as consequências. Jorge Rosa, presidente da autarquia, refere ao PÚBLICO que “a falta de água tem vindo a agravar-se desde final da Primavera” e apresenta um cenário pouco tranquilizador: “Estamos a meio do Verão e as coisas estão a complicar-se a ponto de se poderem tornar caóticas.”

Neste momento, as viaturas da Câmara de Mértola, com autotanque, estão a transportar água para meia dúzia de pequenos aglomerados populacionais que não têm mais de 50 habitantes. Consequência do estio e da falta de chuva, a falta de água tem ainda outra razão: as altas temperaturas “rebentam” com as ligações e as tubagens do sistema de abastecimento e as autoridades são “confrontados com o esvaziamento dos depósitos devido às rupturas na rede”, conta Jorge Rosa. Adianta que, para além da reparação dos pontos da rede danificada, “tem de se atestar os depósitos que nestas pequenas localidades respondem ao consumo humano”.

Noutras localidades que não são fornecidas pela rede pública é necessário recorrer aos furos artesianos. Mas à medida que o tempo quente se acentua, estas captações de água, que deveriam ter sido repostas pelas chuvas do Outono/Inverno, estão secas.

A autarquia de Mértola está a viver um crescendo de dificuldades para tentar responder ao aumento do número de localidades sem água para consumo humano desde o passado mês de Abril. “Se chegarmos aos 20 ou 30 aglomerados sem água, estamos numa situação complicada e podemos não ter condições para lhe fazer frente”, admite Jorge Rosa.

Se é assim com as pessoas, com o abeberamento animal as dificuldades “estão muito mais acentuadas”, refere o autarca, descrevendo um cenário que começa a revelar-se dramático.

As reservas de água de superfície, ribeiras, charcas e pequenas barragens “estão secas” por não terem sido repostas nos últimos dois anos com as chuvas de Outono/Inverno. Em alternativa, alguns produtores pecuários estão a recorrer aos furos artesianos, mas o seu débito é cada vez menor e boa parte já não tem água. Abrir novos furos implica ter meios de financiamento, o que não acontece com a maior parte dos criadores de gado.

Esta realidade “indica que podem vir a surgir situações caóticas” num curto período de tempo, se as altas temperaturas persistirem. Em boa parte da margem direita do Guadiana, as explorações agrícolas só encontram água em rios e ribeiras a dezenas de quilómetros de distância, tornando impraticável fazer o transporte de água para os animais.

“Receio que esta situação desemboque na morte de cabeças de gado [à sede e à fome]”, admite o autarca, apelando ao Governo para que seja aplicado rapidamente “um plano de contenção” que atenue os riscos acabados de descrever e venha “em auxílio das pessoas afectadas pela falta de água”.

Em Almodôvar a situação não é melhor. A autarquia já disponibilizou a partir de 1 de Agosto dois pontos de abastecimento de água potável, com contador, no depósito do Morgadinho (Corte Zorrinho) e na Estação de Tratamento de Águas da Rabaça (Almodôvar).

Estão ainda disponíveis, paralelamente, os Poços de São Pedro, do Chafariz, Poço de Ourique e Poço de Santo António, em Almodôvar. Estes locais servirão apenas para consumo animal, uma vez que se trata de água imprópria para consumo humano.

Ao mesmo tempo, a Proteção Civil Municipal foi posta em estado de alerta para a eventual mobilização de um conjunto de viaturas autotanque que possam vir a ser necessárias para abastecimento de urgência. A autarquia conta com o apoio dos Bombeiros Voluntários de Almodôvar para os abastecimentos mais regulares.

Pelo menos oito localidades de Almodôvar estão já a ser abastecidas por autotanques desde Abril. O presidente da autarquia, António Bota, assume que está preocupado com as consequências do tempo mais quente, com Agosto a começar, e receia que a seca “piore” nos próximos meses.

Por sua vez Francisco Duarte, presidente da Câmara de Castro Verde, garante que no seu concelho “não há situações críticas”, frisando que a situação “felizmente está dentro da normalidade”.