O Funchal ativou o plano municipal de emergência, em resposta aos vários focos de incêndio que continuam a destruir casas em algumas zonas altas da principal cidade da Madeira, a apenas três quilómetros do centro histórico. Segundo o Jornal da Madeira, há vários focos ativos e esporadicamente ouviram-se durante a noite explosões que se suspeita serem rebentamentos de botijas de gás. Caminho dos Saltos, Corujeira e Lombos, são algumas das áreas afetadas.

O presidente da Região Autónoma da Madeira, Miguel Albuquerque, explicou em conferência de imprensa que a situação vai manter-se complicada ao longo das próximas horas. “O vento vai-se manter com bastante intensidade e as temperaturas vão rondar os 35 graus. Podem diminuir durante a noite, mas a tendência é que se mantenham por volta desse valor. As previsões meteorológicas apontam que só amanhã de manhã é que as temperaturas vão descer 5 a 6 graus.”

“Vamos manter os dispositivos de prevenção e todos os procedimentos no sentido de garantir que não haja reacendimentos nem que o incêndio que está a consumir algumas áreas da região continue a alastrar”, garantiu Miguel Albuquerque. Vão ser mantidos dispositivos no Monte, Caminho dos Tornos, Caminho do Tanque, Calheta e Canhas.

Foi criada uma linha de emergência que deverá complementar o 144. O número é o 926768743 e está disponível 24 horas por dia para prestar apoio às famílias afetadas pelos incêndios. O Governo Regional acionou “o Plano de Socorro Social no valor de 163 mil euros para o apoio à reconstrução de habitações destruídas ou danificadas e para a reabilitação de alojamentos.”

Miguel Albuquerque informou também que o programa PRODERAM contempla medidas que permitem a recomposição dos terrenos agrícolas afetados pelos incêndios.

O presidente do Governo Regional agradeceu o telefonema de solidariedade do Presidente da República e da ministra da Administração Interna, que ligou esta tarde a disponibilizar todos os meios necessários, caso a situação se agrave, para complementar ou reforçar o socorro na Madeira.

“Balanço das primeiras horas: receberam tratamento hospitalar 174 pessoas e 22 foram sujeitas a tratamento no centro de medicina hiperbárica por problemas respiratórios. Houve um civil na freguesia do Monte que sofreu queimaduras com gravidade. Permaneceu na sua habitação e neste momento essa pessoa vai ser evacuada num avião da força aérea para o serviço de cirurgia plástica do Santa Maria. Uma viatura dos bombeiros de Câmara de Lobos teve um acidente. Houve um bombeiro que teve uma fratura num membro superior e outro tem um conjunto de escoriações. Felizmente estão livres de perigo e foram devidamente tratados.”

Miguel Albuquerque reforçou a convicção de que se trata de fogo posto. A Polícia Judiciária já deteve ontem um suspeito.

Dois bombeiros feridos em despiste de auto-tanque

Um auto-tanque que se dirigia para uma frente do incêndio sofreu um despiste e provocou ferimentos em dois bombeiros. A informação é avançada pelo jornal regional da Madeira Diário de Notícias.

Um dos bombeiros sofreu uma fratura num braço. O acidente aconteceu na freguesia do Monte. A corporação de bombeiros de Câmara de Lobos enviou uma ambulância para o local do acidente.

Além de várias habitações, foi evacuado o Hospital dos Marmeleiros, esta manhã. Foi também admitida a hipótese de evacuação do Hospital Dr. João de Almada devido ao fumo, mas acabou por ser abandonada, já que o ar se tornou mais respirável,avança o Jornal da Madeira.

De acordo com o jornal Diário de Notícias, da Madeira, o presidente da Câmara do Funchal já entrou em contacto com o primeiro-ministro para acordar o envio de meios para a região. Paulo Cafôfo diz que o gabinete de António Costa já está ao corrente da situação na ilha. “Sabemos do que tempo que demora a accionar esses meios, mas poderão ser necessários numa questão de rescaldo”, explica Cafôfo.

Não tem sido fácil o combate a esta calamidade, porque temos duas áreas de intervenção. Temos um flanco complicado no Parque Ecológico, no Chão da Lagoa. Temos meios localizados para tentar que o fogo não ultrapasse a estrada e ascenda à zona superior do parque. Outra zona complicada é urbana. Estes incêndios têm este misto, por um lado uma zona florestal e, por outro, uma zona urbana”, explica o presidente da Câmara do Funchal.

O plano de emergência foi ativado logo pelas 8h00 da manhã desta terça-feira, e o anúncio foi feito na página oficial da Câmara Municipal do Funchal no Facebook:

Miguel Albuquerque avançou ainda que os doentes do Hospital dos Marmeleiros, foram retirados “por razões de precaução”. Estes doentes foram enviados para o Regimento de Guarnição n.º 3 do Exército, e outros para o Hospital Dr. Nélio Mendonça.

“Os 234 doentes do Hospital dos Marmeleiros foram distribuídos no Hospital Dr. Nélio Mendonça consoante o seu estado clínico. 77 foram alojados do Hospital Dr. Nélio Mendonça, 49 na consulta externa, 22 no bloco de cirurgia ambulatório e 86 doentes foram alojados no RG3 (Regime de Guarnição 3 do Exército)”, explicou Miguel Albuquerque.

367 pessoas socorridas no Regimento de Guarnição do Exército

288 pessoas tiveram de abandonar as suas habitações

79 doentes acamados foram retirados do Hospital dos Marmeleiros

Além do “socorro normal a inúmeras pessoas vítimas de inalação de fumo”, não houve ninguém diretamente afetado pelo incêndio, explicou Miguel Albuquerque.

O presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, fala numa “noite dramática e uma intervenção extremamente difícil”. O autarca elogiou o “esforço incrível de todas as autoridades envolvidas e, em particular, dos bombeiros”.

São dezenas as casas que estão afetadas e ainda não temos uma contabilidade definitiva das que foram consumidas pelas chamas”, adianta Paulo Cafôfo.

Na conferência de imprensa desta tarde, Miguel Albuquerque avançou que foram destruídas pelo fogo 27 casas, que estão “sem condições de habitação”, explicou o presidente da Madeira. Dessas casas, 11 ficam em São Roque, 13 no Monte, 13 em Santo António e ainda duas unidades de carpintaria na freguesia de São Roque foram totalmente destruídas.

A autarquia funchalense emitiu um comunicado, na sua página do Facebook, chamando a atenção da população para respeitarem as instruções das autoridades. A Madeira sofreu uma série de incêndios graves em 2012, tendo sido na altura denunciada a inexistência de meios aéreos de combate.

Ver imagem no Twitter

“A situação não é de improviso”, diz Albuquerque

Em resposta às críticas de que os serviços da região autónoma têm sido alvo, de descontrolo da situação, Miguel Albuquerque garantiu que “a situação não é de improviso”. “As pessoas têm direito a fazer as suas críticas, mas os bombeiros aqui da Madeira são qualificadas, sabem o que estão a fazer, têm competência técnica” e as pessoas “podem ter a certeza que o está a ser feito o combate aos fogos com todos os pressuposto técnicos e da forma mais correta”, disse Albuquerque.

Câmara Municipal toma medidas

A Câmara Municipal está a tomar várias medidas para fazer frente ao incêndio:

  • Semáforos desligados
  • Várias carreiras de autocarros desativadas (20, 21, 22, 28, 93 e 94)
  • Autocarros de turismo proibidosde circular na zona do Monte
  • Várias estradas encerradas
  • Câmara Municipal apela àpoupança de água em todo o concelho
  • A recolha de lixo foi cancelada

O presidente do Governo Regional explicou ainda que é “impossível atacar todas as frentes”, e que, por isso, “em algumas zonas vamos deixar o fogo prosseguir, em zonas de mato, porque isso não é essencial. O essencial é proteger a vida das pessoas“.

A Secretária Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, que tutela a área da Proteção Civil do Governo Regional, adiantou ser difícil neste momento avançar com o número de casas que já foram consumidas e ficaram danificadas pelo fogo, que lavra desde cerca das 16h00 de segunda-feira no concelho do Funchal.

autocarro

Um autocarro de passageiros da empresa de transportes da ilha da Madeira foi totalmente consumido pelas chamadas. O momento foi registado em vídeo por um leitor do jornal regional da Madeira Diário de Notícias. (Imagem: www.dnoticias.pt)

“Não consigo dizer quantas casas estão destruídas, porque os meios estão no terreno e estamos empenhados em apoiar a população desalojada e controlar o fogo”, disse.

Segundo a responsável estão no terreno todos os meios e oito corporações de bombeiros estão envolvidas no combate aos incêndios.

Os bombeiros também na freguesia de Canhas (para onde Miguel Albuquerque se dirigiu), concelho da Ponta do Sol, e do Campanário, no município de Câmara de Lobos, estão a combater outras frentes de incêndio florestal na ilha da Madeira.

De acordo com o Jornal da Madeira, o incêndio já obrigou ao cancelamento do programa do último dia do Fórum Madeira Global, uma iniciativa sobre emigração entre os madeirenses que decorria até esta terça-feira.

Via rápida, estradas regionais, jardim botânico e edifício da Universidade encerrados

A via rápida, a principal artéria da ilha, esteve encerrada por razões de segurança entre a zona de São Martinho e Pestana Júnior, mas já foi reaberta.

Segundo uma nota divulgada pela secretaria regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, a situação está relacionada com o facto de as chamas terem atingido “algumas construções e habitações de um talude sobranceiro ao nó dos Viveiros”.

20 voos desviados ou cancelados

O vento tem sido uma das principais preocupações dos bombeiros, e tem estado a dificultar fortemente o combate às chamas. Devido às fortes rajadas que se fazem sentir na ilha da Madeira, cerca de 20 voos com destino ao Funchal já tiveram de ser cancelados ou desviados.

“Houve alguns voos atrasados, outros divergidos para outros aeroportos desde as 16:00 de ontem [segunda-feira], quando se intensificou o vento, mas a situação já está a voltar à normalidade e hoje de manhã já aterraram vários aviões”, disse à Lusa fonte dos serviços de informação e acolhimento da estrutura aeroportuária madeirense.

A maioria dos 20 aviões que não conseguiram fazer-se à pista do Funchal na tarde e noite de segunda-feira voltaram à sua origem ou então dirigiram-se para Porto Santo, Tenerife, Grande Canária ou Lisboa.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu hoje um “Aviso Amarelo” de vento forte com rajadas da ordem dos 95 quilómetros por hora nos extremos oeste e leste da Madeira, o terceiro mais grave numa escala de quatro e significa “risco para determinadas atividades”.

A mesma informação refere que, “após o término do trabalho dos bombeiros, os técnicos que se deslocaram para o terreno verificaram a existência de problemas profundos nas coberturas das construções e numa das paredes das moradias”, uma situação que vem inviabilizar a circulação na via.

Também menciona que esta é “uma zona que já anteriormente causou problemas de queda de materiais na via, tendo originado o fecho daquela secção da via rápida, noutras ocasiões”.

No terreno estão técnicos da direção regional das Estradas, apoiado por elementos da Câmara do Funchal e da concessionária, a Via Litoral.

O executivo insular prevê que, “se não persistiram questões de instabilidade e após a remoção das coberturas”, a via rápida seja reaberta ao final do dia.

Além deste troço, segundo o governo madeirense, estão igualmente encerradas as estradas regionais 103 (entre o Monte e Poiso), a 109 (entre as rotundas dos Viveiros e da Fundoa) e a 209 (entre os Canhas e o Pául da Serra).

Por seu turno, a secretaria regional do Ambiente e Recursos Naturais divulgou que o Jardim Botânico do Funchal está fechado.

Também a estrada florestal das serras de Santo António, entre a Eira do Serrado e o Pico do Areeiro, pelas mesmas razões de segurança, foi encerrada à circulação automóvel.

A Universidade da Madeira decidiu encerrar esta terça-feira o seu edifício da Penteada, “atendendo à qualidade do ar”, uma situação “decorrente dos fogos em desenvolvimento” no concelho e na zona da academia insular.

Alguns utilizadores das redes sociais divulgaram imagens do incêndio:

Ver imagem no Twitter

Muito fumo é visível em toda a ilha:

Ver imagem no Twitter

Durante a noite os termómetros registaram cerca de 35ºC, uma situação nada normal na região.

Ver imagem no Twitter

A Câmara Municipal já informou que várias carreiras de autocarros foram desativadas, outras estão condicionadas, e os autocarros de turismo estão proibidos de circular na zona do Monte.