IMPERALUM Pela qualidade de vida da edificação

Marca de renome, a Imperalum é atualmente um dos mais importantes fabricantes da Península Ibérica de produtos betuminosos para impermeabilização, além de ser líder em Portugal na comercialização de isolamentos térmicos, acústicos, drenagens e geotêxteis. A Revista Pontos de Vista conversou com Jorge Ramos, Diretor Geral Comercial da marca, que nos deu a conhecer um pouco mais de uma entidade de prestígio comprovado.

1016

Como caracteriza a empresa e qual o percurso nos últimos anos?

A Imperalum, fundada em 1968, foi a primeira empresa nacional e das primeiras a nível ibérico a produzir membranas betuminosas de impermeabilização para edifícios, tendo sido precursora a nível mundial na modificação de betumes asfálticos no sentido de adequar esta matéria-prima às mais exigentes necessidades do mercado.

O lançamento em 2015 das novas gamas de membranas betuminosas APP Avance, New e Ultra espelham bem o esforço e o empenho que a empresa dedica à inovação na fabricação de novos produtos e soluções, estratégia que permite à Imperalum liderar o mercado nacional das impermeabilizações e isolamentos – térmicos e acústicos – tendo elegido como missão contribuir para a qualidade de vida dos edifícios de uma forma duradoura e sustentável.

De referir que foi a Imperalum a primeira empresa em Portugal a homologar sistemas de impermeabilização de coberturas de edifícios através do LNEC, tendo integrado por protocolo com o IPQ, o Organismo de Normalização do Setor, cujo objetivo se centrou no acompanhamento da normalização europeia, e teve como resultante a obtenção da Marcação CE para as membranas betuminosas de impermeabilização, estando neste momento em curso e no âmbito da Comissão Técnica – CT 96 – trabalhos conducentes à publicação, num futuro próximo, de um conjunto de regras técnicas para sistemas de impermeabilização em coberturas de edifícios, os quais têm por objetivo incrementar os níveis de qualidade neste importante setor de atividade em Portugal.

Também o acompanhamento do projeto de impermeabilização é uma atividade muito importante dentro da empresa, tendo a Imperalum desenvolvido uma plataforma técnica disponível na página web da empresa, que permite aos projetistas encarar o projeto de impermeabilização como se de um projeto de especialidade se tratasse e aportando assim níveis de fiabilidade e segurança a esta área tão importante da construção.

Qual a política da empresa relativamente à conservação e sustentabilidade do meio ambiente? De que forma tem vindo a ser implementada.

Eu dividiria a resposta em três dimensões distintas mas contudo complementares;

Em primeiro lugar na dimensão industrial:

A Imperalum foi pioneira a nível europeu quando certificou a empresa, em 2005, ao abrigo da ISO 14001, dando assim corpo à sua estratégia de sustentabilidade, que passa por introduzir nas suas práticas industriais processos que minimizem o impacto ambiental. Posso dar como exemplo a incorporação de plásticos de embalagem na produção de membranas betuminosas, no controlo rigoroso de efluentes gasosos para a atmosfera, na política de separação de resíduos e na sua reutilização, na utilização racional da água de arrefecimento, na racionalização dos consumos de energia na empresa, etc, etc.

Em segundo lugar na dimensão comercial:

A Imperalum produz e comercializa produtos que se destinam a promover a qualidade de vida nas edificações, através da isenção de humidades resultantes de infiltrações assim como da promoção de isolamentos térmicos e acústicos. Desta melhoria de qualidade resulta também uma maior conservação de energia, tendo como consequência poupanças de energia quer no verão quer no inverno, contribuindo dessa forma para a eficiência energética dos edifícios.

Em terceiro lugar na dimensão da investigação:

A Imperalum integra um vasto programa europeu de LCA – Life Cycle Assessment – promovido pela European Waterproofing Association, da qual somos membros e cuja resultante foi a publicação de uma Declaração Ambiental de Produto para o setor Europeu da indústria da impermeabilização.

Ambicionando o aprofundamento da temática da sustentabilidade, em setembro de 2015 a Imperalum assinou com o LNEG um protocolo de participação num projeto europeu, o LCIP – Life Cycle in Pratice, o qual se destina a apoiar PME em setores predefinidos, utilizando abordagens e ferramentas de ciclo de vida com o objetivo de melhorar a eficiência dos recursos e reduzir as emissões e resíduos que ocorrem ao longo da vida dos seus produtos e serviços.

Dentro da gama de produtos que possui, qual é aquele que elege como sendo o mais ecoeficiente? Quais as suas características?

Destacaria não um produto mas sim três sistemas. O sistema das coberturas ajardinadas, que permite transportar para as coberturas dos edifícios os espaços verdes inexistentes nas urbanizações, com inúmeras vantagens ambientais das quais destacaria o amortecimento de caudais e o evitar das cheias localizadas, o aumentar níveis de oxigénio nas cidades por contrapartida de diminuição de níveis de CO2, assim como do contributo para o abaixamento das temperaturas nas cidades e diminuição do efeito de estufa.

O sistema de impermeabilização com membranas revestidas a granulado de ardósia branca, que permitem um incremento da reflexão da luz solar, permitindo dessa forma diminuir o impacto na temperatura dos edifícios, contribuindo desta forma para a poupança energética. Um excelente exemplo é o da Autoeuropa em Palmela, onde este nosso conceito e sistema foi aplicado com sucesso.

Por último o sistema de reabilitação de coberturas em fibrocimento contendo amianto, permitindo, sem efetuar a sua remoção, encapsular estes materiais recorrendo a um sistema inovador, integrando um isolamento térmico em poliisocianurato e um sistema de impermeabilização com membranas betuminosas APP Avance e permitindo a reabilitação da cobertura com reforço estrutural e melhoria de características térmicas, acústicas e de estanquicidade com garantia de longa duração, sem raspar, escovar, furar ou partir o fibrocimento, ou seja, sem riscos de libertação de partículas de amianto mesmo durante os trabalhos de reabilitação.

O mercado da reabilitação tem ganho uma importância crescente nos últimos anos. Havendo uma estreita ligação entre a ecoeficiência e a sustentabilidade, será este um contributo importante para a recuperação do mercado da construção?

A recuperação do mercado não passa de facto pela construção nova. A reabilitação é uma inevitabilidade pelo que a adaptação dos processos construtivos e dos materiais coloca desafios enormes à indústria. Dou como exemplo o simples facto de adaptar uma construção antiga aos novos requisitos do RCCTE. Veja o impacto da melhoria da eficiência térmica e higrométrica das coberturas, a substituição das caixilharias, dos vidros, etc. Quando falamos em reabilitação/renovação estamos a falar da reativação da fileira da construção em Portugal.

Da agenda energética da estratégia Europa 2020, nomeadamente no respeitante à contribuição do funcionamento dos edifícios para a redução de 20% nas emissões de gases com efeito de estufa, a Diretiva Europeia 2010/31/UE vem lançar um desafio ao definir que a partir de 2018 todos os novos edifícios pertencentes a entidades públicas (e a partir de 2020 todos os restantes), terão que ser edifícios com necessidades quase nulas de energia (os chamados edifícios nZEB – nearly Zero-Energy Buildings). Sendo que esta diretiva também estipula que importantes obras de renovação em edifícios públicos demonstrem um papel exemplar no contexto desta diretiva, colocando a ecoeficiência na primeira linha das atenções dos novos projetos de reabilitação/renovação. Na persecução de prestar apoio permanente a projetistas, construtores e promotores, os técnicos da Imperalum têm vindo a receber os conhecimentos específicos de engenharia e arquitetura focados em estratégias nZEB requeridos nos futuros projetos de construção nova e de reabilitação.

Possuem algum tipo de produto orientado para o mercado da reabilitação?

Já em resposta anterior referi algumas das virtudes do sistema de reabilitação de coberturas de fibrocimento. Este, como muitos outros sistemas construtivos que constituem soluções de reabilitação, é constituído por produtos utilizados não exclusivamente em reabilitação mas onde o criativo desenho da solução e a seleção adequada de materiais permitem uma reabilitação eficiente, resiliente, duradoura e sustentável.

Deste modo gostaria de destacar não apenas um produto mas todo um conjunto de soluções de reabilitação com sistemas construtivos desenvolvidos pela Imperalum e reunidos no programa “REABLITZ, reabilitação eficiente e sustentável”.

Existe alguma obra recente com a vossa intervenção que gostasse de mencionar?

Trata-se de uma obra que vai marcar a cidade de Lisboa e que integra o conceito da arquitetura orgânica. Estamos a falar do Centro das Artes, obra promovida pela Fundação EDP, da autoria da arquiteta inglesa Amanda Levete e localizado na zona ribeirinha, junto ao Museu da Eletricidade. As soluções de impermeabilização da Imperalum foram as selecionadas pela projetista e integram a gama de membranas betuminosas APP Avance, das quais destacamos o Polyplas 30, Polyster 40, Polyxis R40 e Polyxis R50 Garden.