“A TAXA DE EMPREGABILIDADE DOS ALUNOS FINALISTAS DA EPAV É MUITO ELEVADA”

“A EPAV, tem apostado em desenvolver a sua oferta formativa em áreas prioritárias no que diz respeito às necessidades locais e regionais dos empregadores”, afirma José Furtado, Diretor da Escola Profissional Alda Brandão de Vasconcelos - Escola de Hotelaria de Colares (EPAV), em entrevista à Revista Pontos de Vista. A formação profissional em destaque numa instituição que se tem distinguido nesta vertente.

944

Com uma oferta formativa ampla e diversificada, a Escola Profissional Alda Brandão de Vasconcelos – Escola de Hotelaria de Colares (EPAV) forma alunos nas áreas de Cozinha e Pastelaria, Restaurante-Bar, Turismo Ambiental e Rural e Proteção Civil. Numa altura em que os números do desemprego são alarmantes, qual tem sido o foco da EPAV?
O foco da EPAV tem sido os cursos das áreas de hotelaria e turismo, pois estas são áreas em grande expansão local e regional e pelas infraestruturas que servem a escola que possui um hotel de aplicação, no qual os alunos podem em contexto real adquirir as competências necessárias ao desempenho da sua “futura” profissão.

Em Portugal há escolas onde os finalistas não temem o desemprego. São escolas profissionais onde a empregabilidade ronda os 80% e onde os cursos são pensados à medida das necessidades do mercado e com forte componente prática. A taxa de empregabilidade da EPAV tem sido satisfatória?
A taxa de empregabilidade dos alunos finalistas da EPAV é muito elevada, sobretudo nos cursos de turismo e hotelaria. A EPAV não consegue, muitas vezes, dar resposta às solicitações dos empregadores que procuram alunos através da nossa bolsa de emprego para integrarem os seus quadros.

As escolas profissionais apresentam-se como mais-valias quando a meta é promover a integração, num mercado de trabalho cada vez mais competitivo. Olhando para as necessidades atuais do país, o ensino está a conseguir configurar-se em função dos interesses e das carências do país?
A EPAV, tem apostado em desenvolver a sua oferta formativa em áreas prioritárias no que diz respeito às necessidades locais e regionais dos empregadores. O grande desenvolvimento do turismo em Portugal, nomeadamente em Sintra, obriga a que mão de obra seja cada vez mais qualificada face exigências do cliente deste segmento de mercado.

Com mais um ano letivo a começar o número de inscrições na EPAV correspondem às expectativas?
Cada vez mais o ensino profissional é a primeira opção para muitos alunos que terminam o ensino básico, desta forma, apesar de ainda haver vagas para alguns cursos, a procura dos jovens pelos cursos da EPAV é grande, permitindo abrir todas as turmas que nos foram atribuídas. A EPAV pode receber alunos de todo o país pois possui uma residencial de estudantes e permite aos alunos beneficiar de vários apoios.

Se outrora os jovens tendiam a escolher um curso tendo apenas como motivação os seus interesses pessoais, hoje são já muitos os que se preocupam em obter informação sobre as perspetivas de empregabilidade a curto e médio prazo. Neste sentido, qual é o caminho a seguir pela EPAV? Prevê-se a abertura de novos cursos?
A EPAV dentro do seu âmbito de formação procurará acompanhar as necessidades do mercado de trabalho, ajustando a sua oferta formativa a esta realidade.

ALUNOS_epav