Não é uma ciência exata, longe disso, mas há regras básicas que ajudam a sustentar uma relação de amor. Se as seguir, é muito provável que entre no grupo de pessoas que fazem da longevidade conjugal um modo de vida

1 – CRIAR RAÍZES FORTES

O que levar na bagagem

– Ajustar expectativas
– Praticar o humor
– Compensar fases críticas
– Relativizar dramas
– Abraçar a imperfeição
– Conhecer o outro a fundo
– Saber pedir/dar (elogios, mimos, perdão, etc)

O que deve ficar à porta

Idealização: os estados alterados de consciência dos “nunca-e-sempre” sabem bem mas dão ressaca
Dependência: querer dizer ou saber tudo gera entropia e intolerâncias várias, por vezes crónicas
Controlo: um tipo de doping que, mais cedo ou mais tarde, queima baterias que não vai poder repor
Crítica: ataques pessoais são vírus que se alojam no sistema e limitam a aproximação construtiva
Desprezo: mostrar-se ofendido, humilhar e insultar o outro é como uma bactéria resistente e fatal
Jogar à defesa: insinuar que o outro é o problema ameaça-o e deixa ambos febris e sem forças
Blindagem: a frieza emocional é um antibiótico que ‘mata’ o confronto mas impede que nasça a luz

2 – MANTER A BOA FORMA

Família: ex, pais e sogros são presenças incontornáveis e há que lidar com as suas regras e manias
Finanças: pensem no modelo da vossa contabilidade e descubram se a vossa “startup” é sustentável
Férias: decidam se as vossas prioridades de carreira e lazer são compatíveis e o que fazer com isso
Amigos: “cada um com os seus” e os dois com os “nossos” pode evitar cenas de ciúmes e disputas
Tarefas: tolerar a frustração, precisa-se; criar um modelo que não seja o das casas de origem ajuda
Hobies: sem inovação não há evolução; criar valor fora da relação não a satura e permite crescer

3 – REINVENTAR, SEMPRE

Praticar a robustez: a arte do compromisso é um crosstraining puxado, mas o esforço compensa
Evitar comparações: a meta é cada um focar-se na sua parte da logística no treino a dois, sem julgar
Ser mindful: esteja no momento sem se perturbar com coisas fora do lugar e outros contratempos
Coração não é só química: o sexo tem um fim, o amor tem outro; às vezes coincidem, outras não
Exercitar o namoro: pausas regulares (sem filhos, amigos, trabalho) geram prazer e reduzem stresse