No dia internacional do tradutor devemos celebrar principalmente aqueles que trabalham para que a cultura seja difundida em todos os níveis sociais, facilitando a comunicação entre culturas de idiomas diferentes. Quando questionada sobre o facto de a sociedade estar consciencializada para a importância da tradução e de um tradutor com a formação adequada, Teresa Sousa relembra que, hoje em dia, a ideia que prevalece é a de que qualquer pessoa que saiba duas línguas tem capacidade para fazer tradução. Referindo-se ainda às ferramentas oferecidas pela internet, explica que “o processo não é assim tão linear. A nossa grande luta é afirmar que somos profissionais que tiveram formação específica para esse fim.”

A TAGS – Language Solutions trabalha, por isso mesmo, no sentido de sensibilizar as empresas para a necessidade de contratar serviços profissionais. “Muitas vezes, as pessoas só se apercebem da necessidade de um serviço especializado quando as traduções não têm os resultados esperados ou trazem consequências que podem ser mais ou menos graves”, explica a nossa entrevistada.

O caminho até à TAGS

Com formação de base em Tradução e Interpretação, Teresa começou o seu percurso profissional na área do marketing numa empresa onde acumulava, igualmente, a responsabilidade por trabalhos de tradução devido aos seus conhecimentos de alemão e inglês. “Rapidamente me apercebi de que era exigente conciliar os trabalhos de tradução com outras tarefas”. A experiência, que, no entanto, descreve como enriquecedora, permitiu-lhe perceber que “isto é o que acontece em diversas empresas, onde, inocentemente, os administradores pensam que é suficiente contratar pessoas bilingues para exercer funções de tradução”, refere.

Depois dessa experiência, seguiu-se uma década na indústria da tradução e o contacto com diferentes práticas que se usam no mercado que, em conjunto com uma série de fatores pessoais, levaram Teresa a querer criar a própria empresa direcionada para a prestação de serviços linguísticos, consultoria nas áreas da internacionalização e comunicação empresarial, e ações de formação e orientação para profissionais de tradução. Nasceu, assim, a TAGS – Language Solutions.

Teresa Sousa considera que a comunicação é uma das áreas cruciais da globalização e, num mercado cada vez mais competitivo, onde é necessário alargar regularmente a carteira de clientes e encontrar novos espaços de negócio, é um instrumento cada vez mais valorizado. Ao trabalhar com empresas nacionais e internacionais, percebeu que a maior resistência à contratação de serviços profissionais de tradução não se centra tanto nas questões de orçamento ou de confidencialidade, mas na falta de confiança nos conhecimentos técnicos do tradutor sobre as suas indústrias específicas. “Daí a importância de trabalhar fielmente com um prestador de serviços linguísticos e da necessidade de uma relação estreita entre o tradutor e o cliente, de modo a que este possa acompanhar de perto a sua realidade para um bom trabalho final com resultados positivos”, refere a fundadora da TAGS.

A especialização e o desenvolvimento profissional contínuo são também fundamentais. Por isso mesmo, Teresa dedica-se igualmente à formação de profissionais de tradução. Por exemplo, a Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes, da qual a Teresa é associada, criou um programa de mentoring que visa ajudar os tradutores recém-licenciados (e não só) a enquadrarem-se na profissão, promovendo a sua aproximação a profissionais já estabelecidos.

Porquê TAGS?

TAGS é um jogo de palavras: sendo as iniciais do seu nome, Teresa Alexandra Gonçalves de Sousa, é, ao mesmo tempo, algo muito usado na internet e nas redes sociais, as ditas etiquetas das publicações, ou como códigos de formatação de documentos em programas de processamento de texto. “Como é uma palavra bastante conhecida hoje em dia e, igualmente, muito usada no setor específico da tradução, decidi optar por esse nome para a empresa”, explica a nossa entrevistada.

No entanto, Teresa considerou ser importante acrescentar a denominação Language Solutions para acentuar o foco da empresa: “queremos apresentar soluções junto das empresas e não levantar problemas. Queremos dar-nos a conhecer no mercado junto das empresas com a ideia de que nós existimos para facilitar o trabalho e trazer benefícios”. Para o futuro, diz ainda querer continuar a equilibrar a tradução técnica com o trabalho mais criativo e trabalhar mais de perto com empresas inovadoras e inspiradoras.

“É importante a questão da proximidade. Os clientes querem sentir que estamos a «cuidar» da empresa com o mesmo brio e dedicação com que eles o fazem”, conclui Teresa Sousa.