“ESTÁ NA ALTURA DAS EMPRESAS MUDAREM E PERCEBEREM QUE OS DESAFIOS HOJE SÃO GLOBAIS”

Em entrevista à Revista Pontos de Vista, o Presidente da APLOG, Associação Portuguesa de Logística, explica a importância do 19º Congresso de Logística, que temáticas, panoramas e soluções desenham a realidade da logística em Portugal.

1081

25 ANOS DE APLOG

Com 25 anos de existência, a APLOG é uma associação voltada para o desenvolvimento da logística em Portugal. Ela nasce num contexto da iniciação de algumas atividades em Portugal que eram muito dependentes da logística num país que ainda não tinha capacidade de resposta no setor da cadeia de abastecimento. 25 anos depois o contexto da APLOG evoluiu significativamente, tornando a logística uma matéria relevante e com um papel de destaque para as empresas portuguesas.

19º CONGRESSO DE LOGÍSTICA | “SUPPLY CHAIN NUM CONTEXTO DE MUDANÇA”

Tanto a logística como o seu próprio contexto estão em constante mutação, e é desse evidência que surge o tema do congresso.

“Somos capazes de nos adaptar aos diferentes panoramas que vão surgindo com a rapidez necessária?”, quem pergunta é Alcibíades Paulo Guedes, Presidente da APLOG.

O online, a sustentabilidade, novos mercados e clientes, a complexidade, as tecnologias de informação e imprevisibilidade, são alguns dos temas que serão abordados no congresso que se realizará no Centro de Congressos de Lisboa nos dias 19 e 20 de outubro. Ao longo dos painéis estes serão temas cruciais e que pretendem chamar à atenção dos empresários portugueses para a necessidade de inovar para melhor competir.

Os dois dias serão preenchidos com palestrantes ilustres como Rui Rio (Senior Advisor e Partner – Boyden global executive search e Neves de Almeida | RH Consulting), João Pedro Matos Fernandes (Ministro do Ambiente), Sérgio Marques (Managing Director – PARFOIS), Pedro Silva (Sustainability Manager – The Navigator Company), Paulo Pires (Diretor de Logística – Grupo Cooprofar Medlog), António Gonçalves (CEO – ES-KO), entre outros.

Questionado sobre os problemas que o uso e a implementação das tecnologias da informação representa para as empresas, Alcibíades Paulo Guedes, não tem dúvidas: “as tecnologias ainda são um problema nas empresas. Mas não há outro caminho possível. Só investindo em tecnologia é que o acompanhamento do mercado pode ser feito”.

“A rastreabilidade também tem aumentado brutalmente em todos os mercados, e esta é uma necessidade fulcral”, recomenda.

“Temos de ter noção de que as empresas portuguesas só poderão ser competitivas se souberem inovar”.

Enquanto associação, a APLOG pretende chamar a atenção do tecido empresarial português para a necessidade emergente de inovar, que “já mudou muito mas que tem de continuar a mudar”.

O FUTURO

 “As novas gerações estão muito bem preparadas, há que transformar essa capacidade em valor, produtos, serviços e capacidade de integrar esses conhecimentos em cadeias de abastecimento”, conclui Alcibíades Paulo Guedes.