Quando regressei, decidi usar toda a bagagem que tinha acumulado e apostei paralelamente em duas áreas: a tradução e a formação de línguas.

Passadas mais de 800 horas de formação ministrada em centros de formação e empresas e já com uma carteira de clientes sólida na área da tradução, acabei por enveredar exclusivamente pela tradução.

Tornei-me membro da APT (Associação Portuguesa de Tradutores), APTRAD (Associação Portuguesa de Tradutores e Intérpretes) e ASETRAD (Asociación Española de Traductores, Correctores e Intérpretes), e sou tradutora certificada pelo CTP Program e pela rede internacional Proz.com, cumprindo a norma EN 15038.

12 anos volvidos, posso dizer que tem sido um percurso de grande aprendizagem. A indústria da tradução tem tido momentos de ascensão, retrocesso, evolução, crise… O progresso tem-nos obrigado a ser dinâmicos, a adaptar-nos a diferentes métodos de trabalho, a permanecer visíveis no mercado e a aprender a usar a inovação a nosso favor. Já não podemos ignorar as novas tecnologias, nem confiar no que antes tomávamos por garantido, nem mesmo achar que virão bater-nos à porta para estabelecer uma relação comercial. Cada vez mais, exige-se rapidez e qualidade – conceitos que raramente andam de mãos dadas.

Além disto, vivemos ainda numa sociedade pouco conhecedora do papel da tradução no mundo. Tudo à nossa volta é tradução. Desde o pacote de cereais que comemos de manhã ao contrato de trabalho que assinamos com aquela multinacional onde tanto queríamos trabalhar. Pensa-se que para se ser tradutor basta “saber línguas”. E isso, ao longo dos anos, não mudou. Infelizmente. Para se ser tradutor (dos bons, entenda-se!), é preciso dominar terminologia especializada, saber pesquisar, dominar ferramentas informáticas específicas para uniformizar e rentabilizar o trabalho, conhecer contextos culturais e linguísticos distintos, frequentar cursos e conferências para nos mantermos atualizados, ser criativos e dedicados. E esta é a Tradução nos dias de hoje. Desafiante.

OPINIÃO DE CARLA ALEXANDRA LOPES, TRADUTORA