RXF PRESENTE A CADA MOMENTO DESDE 2007

A março de 2007 é lançada a Playstation 3 na Europa, dá-se a crise na Bolsa de Valores de Xangai que abala as bolsas em todo o mundo, chegam ao cinema os filmes “Shooter” e “Meet the Robinsons” e nesse mesmo mês nasce a RXF. Fomos junto de Pedro Ramos, Ceo, conhecer uma empresa que procura acima de tudo uma coisa: distinção.

1407

Hoje, e com quase dez anos de existência a empresa conquistou três segmentos de mercado: Tecnologias de informação, Audiovisual e Cinema & Multimédia.

Estreou-se num primeiro momento como e apenas Tecnologias de informação, fruto da experiência do seu fundador, Pedro Ramos, porém, em 2007 surge a oportunidade de integrar a vertente audiovisual. Esta sinergia surge da necessidade de percecionar aquilo que o mercado solicitava. No entanto, a diferenciação seria o caminho que a RXF queria percorrer, quem garante é Pedro Ramos “agregar o audiovisual às tecnologias de informação e ao mundo dos eventos foi algo diferenciador para a época”.

Hoje, existem não duas, mas três áreas de negócio: Tecnologias de Informação, Audiovisual e Cinema e Multimédia, porém, e apesar de distintas, elas podem também funcionar como uma só, tornando a RXF uma empresa de gestão e produção técnica de eventos e conteúdos. Mas o que realmente significa isto? Numa palavra: integração. Desde os serviços de consultoria à planificação e gestão de aspetos técnicos e criativos, a RXF destaca-se por ser, o único “player” que no caso dos eventos e de forma completa consegue abarcar serviços tão distintos como o desenvolvimento de uma app, o aluguer do equipamento audiovisual e informático, a produção de conteúdos em fotografia e vídeo, explica Pedro Ramos.

A EQUIPA

Nuno Ferreira, Business Unit Manager da Audiovisual, chegou à RXF em 2008, apesar de ter estado em contacto com o projeto desde a sua génese. A evolução da empresa levou a que tivesse assumido também alguns projetos da área de cinema & multimédia.

Confessa que a maior parte das vezes o pedido inicial para um evento é algo muito abstrato e que a capacidade dos gestores de projeto em interpretarem as ideias primárias acaba por ser parte crucial no início de todo o processo de produção. O reflexo final desta assinatura RXF culmina no dia do evento.

A solidificação da RXF nos últimos anos levou também a um enorme desenvolvimento estrutural. Hoje em dia qualquer projeto é alimentado por uma sinergia entre os todos os departamentos envolvidos. Desde o desenvolvimento de projetos, passando pelo enorme contributo da equipa de design, a “expertise” da direção técnica, o planeamento e preparação da logística até à operação de excelência de uma equipa técnica ímpar.

Dissecando “estrutura” temos aquele que é sem dúvida o nosso maior trunfo “equipa”.

«Uma equipa é um grupo de pessoas organizado para um serviço determinado ou para alcançar um objetivo comum.» “Felizmente no nosso caso, somos sem dúvida a definição levada à letra, objetivo comum ‘o sucesso’. Todos acreditamos neste projeto e por isso sentimos a empresa como nossa. Desenvolvemos muito trabalho para a área da saúde assim como para o mercado «corporate», ambos são completamente díspares, com necessidades diferentes e só com uma equipa multidisciplinar conseguimos garantir sempre a melhor solução. Vamos muito mais além do que o simples aluguer de equipamento.Redesenhámos o conceito de “chave na mão” dentro da nossa área de atuação. O potencial de um projeto que tem influência das 3 áreas: Tecnologias de Informação, Audiovisual e Cinema & Multimédia terá certamente poucas fronteiras. Desde app ou software aplicacional para evento, o acesso às mais recentes tecnologias de projeção, iluminação ou sonorização, até à produção de conteúdos gráficos, vídeo ou fotografia torna a assinatura do Grupo RXF o selo de distinção”, explica Nuno Ferreira.

FOCO NO DESENVOLVIMENTO E NO FUTURO

“Trabalhamos para estar na vanguarda e para isso preocupamo-nos em criar soluções que vão mais além do que as que existem no mercado” afirma Pedro Ramos.

Exemplo disso mesmo é a recente realidade virtual. “A realidade virtual ainda está numa fase prematura e somos a primeira empresa a tê-la no país para aluguer em qualquer evento e para produção de conteúdos”

ATITUDE E DIFERENCIAÇÃO

 “A atitude e a diferenciação que em termos técnicos e criativos damos aos projetos são as nossas mais-valias e marcam completamente a diferença na nossa área de atuação”, clarifica Nuno Ferreira.

Com uma clara ânsia de inovar, Pedro Ramos traz à RXF novos desafios com a área de Cinema & Multimédia e explica que esta última área de negócio “surge como necessidade que sentimos de ir mais além”.

O LANÇAMENTO DO NOVO SITE, UMA NOVA IMAGEM, A MESMA QUALIDADE

“O site espelha a realidade RXF, mostra o nosso portfólio e parte daquilo que fizemos até agora. No fundo é a nossa montra com muito conteúdo de vídeo e fotografia. Representa acima de tudo, o nosso lado institucional, uma vez que continuaremos a mostrar as nossas novidades com uma presença muito forte nas redes sociais e no nosso canal de vimeo”.

10 ANOS SIMBÓLICOS evolução, rigor e confiaça

“Olhamos para trás e verificamos que o tempo voou. Estamos em constante evolução, transmitimos a confiança necessária aos nossos clientes, somos um parceiro de referência e acompanhamo-los diariamente. Frequentamos habitualmente os melhores “venues” do país. Somos presença assídua em locais como Convento do Beato, Pátio da Galé, Meo Arena e Panteão Nacional apenas para nomear alguns na grande Lisboa, no entanto estamos presentes no resto do país. Terminámos ainda há duas semanas um congresso nacional na Alfândega do Porto e temos já vários para o ano que vem no Palácio de Congressos dos Salgados no Algarve”, conta Pedro Ramos.

“O rigor com que apresentamos o projeto final, pensado para lá do que pode acontecer, tem-nos caracterizado ao longo destes anos. O filme dos 10 anos que vamos fazer mostra exatamente quais são as nossas “guidelines”. O mesmo termina com uma frase que descreve o que sentimos neste momento «e como não sabemos o que vem no futuro continuamos determinados a seguir em frente». Somos insatisfeitos por natureza e queremos fazer sempre mais. Avaliamo-nos principalmente quando as coisas não correm como o esperado. Antes do criticismo e do rigor do cliente está o nosso e esse pensamento tem-nos acompanhado sempre”, conclui o ceo.

No ar fica a sensação de que novidades não faltarão. Presentes a cada momento e com uma certeza: distinção, rigor e prestígio são o adn da empresa. E estes são os sentimentos que estarão completamente arrogados no filme que está a ser preparado para comemorar os dez anos.