É o meio mais eficaz para detetar o cancro da mama a tempo e horas de ser tratado e curado e as novas tecnologias de imagem – agora a 3D – permitem identificar pequenas alterações cada vez mais cedo. Mas em Portugal escasseia a prevenção, falha a organização e compromete-se a qualidade do diagnóstico.