Sabia que conduzir com casaco vestido pode ser perigoso?

O excesso de roupa na prática da condução pode interferir com a agilidade de movimentos necessária para reagir a um qualquer imprevisto.

699

A notícia surge após um estudo do Comissariado Europeu do Automóvel (CEA) em Espanha, segundo o qual um em cada cinco automobilistas conduz com o casaco vestido no inverno. Com quase 96% dos 1.025 condutores inquiridos a assumirem a sua crença de que utilizam a roupa mais adequada, a indicação de que, daquele valor, 15,12% conduz com o casaco vestido vem mostrar que existe um desconhecimento entre o que é recomendável e o que se crê como apropriado.

Assim, a Fundação CEA indica que os casacos são mesmo um dos elementos a evitar quando se senta ao volante, seja qual for o tecido. Uma das questões importantes tem a ver com a grossura, que faz com que se crie mais espaço entre o corpo e o cinto de segurança, podendo fazer com que o sistema de retenção não desempenhe a sua função de forma mais adequada, deixando aproximar em demasia o corpo do volante.

A utilização de cachecóis merece igualmente um sinal de desadequação, já que impede a total movimentação da cabeça durante a condução, podendo impedir, por exemplo, a observação correta dos espelhos retrovisores. De fora dos equipamentos adequados para a condução deverão ficar também as luvas, que retiram sensibilidade aos condutores, por exemplo no manuseamento do volante. Quanto ao calçado, as botas são pouco ‘amigas’: mesmo que tragam consigo maior conforto, retiram alguma da sensibilidade ao condutor.

Os mesmos conselhos são aplicáveis para crianças, que não devem sentar-se nas suas cadeirinhas vestidas com casacos grossos, correndo o risco de não ficarem convenientemente seguros.

Num laboratório do Michigan foram feitos testes de colisão, a 50 quilómetros por hora, onde pode ver-se uma simulação em que a criança parecia estar firmemente apertada na cadeira do carro, mas foi projetada para fora dela.

Helena Sacadura Botte, secretária-geral da APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil, disse ao site da RTP que “normalmente os pais não têm o cuidado de ajustar diariamente o arnês, o cinto interno da cadeira, ao corpo da criança, e no inverno, quando usam casacos grossos, têm tendência a deixá-los assim com aquela medida e depois quando a criança viaja sem casaco, o arnês fica muito largo e isso não protege a criança”.

Além disso esta responsável adianta que “basta usar um casaco grosso para que esse casaco interfira com a colocação do arnês, que não vai assentar bem em cima dos ombros e muitas vezes tem tendência a ficar descaído sobre os braços, o que pode causar lesões”.