As duas normas de sistemas de gestão mais utilizadas a nível global, a ISO 9001 e ISO 14001, foram revistas e publicadas a 15 de setembro de 2015, integrando melhorias significativas para os sistemas de gestão da qualidade e ambiental das Organizações.  A ISO 9001:2015 é o culminar de uma adaptação ao mundo atual, tentando ir ao encontro das necessidades e expectativas dos seus utilizadores no contexto dinâmico e complexo em que operam. Sendo mais explícita e compatível com outras normas de sistemas de gestão, facilita a sua implementação e integração com outros sistemas de gestão adotados pelas Organizações. Esta nova versão está focalizada no desempenho organizacional, exigindo às Organizações uma gestão eficiente e eficaz dos seus processos, aplicando uma abordagem de “pensamento baseado em risco” na determinação do grau de planeamento e controlo necessários, gerindo os processos e o sistema como um todo, utilizando o ciclo “Plan-Do-Check- Act”. A norma ISO 14001:2015 responde às tendências mais recentes em gestão ambiental, como sejam a análise de risco e oportunidades, um maior compromisso da liderança e envolvimento das partes interessadas. A norma inclui várias alterações, tanto ao nível do sistema de gestão como especificamente ambientais. As principais alterações nas duas normas centram-se na adoção da estrutura de alto nível (que visa homogeneizar a estrutura das normas ISO), na inclusão do pensamento baseado em risco, na determinação do contexto organizacional, no reforço do papel da gestão de topo como líder na gestão organizacional e, especificamente para a ISO 14001, na perspetiva de ciclo de vida dos produtos/ serviços.

Atividades como:

– a análise do contexto externo e interno (cada Organização é diferente e única. Por esta razão as normas requerem que as Organizações determinem seu contexto específico no qual operam de forma a garantir que o seu sistema de gestão seja apropriado à realidade);

– a determinação de requisitos das partes interessadas relevantes (as Organizações devem pensar para além dos requisitos contratuais dos seus clientes e considerar as necessidades expectáveis relevantes de outras partes interessadas);

– a determinação de riscos e oportunidades (o “pensamento baseado em risco” está integrado nas normas pressionando as Organizações a identificar os riscos (e oportunidades!) associados às suas atividades, e tomar medidas para os reduzir ou controlar);

– a gestão do conhecimento organizacional (os conhecimentos e experiências adquiridas ao longo dos anos estão entre os maiores patrimónios de qualquer organização);

– a determinação de requisitos de produto que vão ao encontro das necessidades e expectativas do cliente (o foco primordial da gestão da qualidade é a satisfação dos requisitos dos clientes e o esforço em exceder as suas expectativas);

– o comprometimento e envolvimento da gestão de topo (qualquer iniciativa organizacional depende da forte liderança vinda do topo);

– considerar a perspetiva do ciclo de vida dos produtos e serviços (determinando quais as etapas do ciclo de vida que são controláveis ou influenciáveis pela organização. Questão específica da ISO 14001);

têm como principal objetivo o aumento e reforço da confiança nas organizações que consistentemente aplicam estes sistemas de gestão. Acreditamos que os novos referenciais encerram inúmeras oportunidades para as organizações melhorarem os seus processos, produtos e serviços e o seu desempenho ambiental, em sintonia com a sua orientação estratégica, o alcance dos seus objetivos e, sobretudo, as necessidades e expectativas das partes interessadas.

Prazos para a Transição

Durante três anos após a data de publicação, as duas versões estarão em vigor (ISO 9001 de 2008 e 2015 e ISO 14001 de 2004 e 2015), pelo que coexistirão até 15 de setembro de 2018. A partir desta data apenas estarão em vigor as normas ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015.

Até dia 15 de setembro de 2018 as organizações certificadas devem realizar uma auditoria de transição para manterem os seus certificados válidos. Aconselhamos que a auditoria de transição coincida com uma auditoria do ciclo e certificação e que seja realizada com a maior antecedência possível em relação àquela data. A leitura dos guias APCER ISO 9001 e ISO 14001 (www.apcergroup.com/ Publicações) poderá ser útil para ajudar na interpretação das novas normas.

Opinião de Carolina Nogueira, Gestora de Produto APCER.