No Japão, este é um desporto que ainda esgota recintos e traz fama e riqueza aos principais campeões. Mas é também um desporto restritivo, que não deixa mulheres praticar o desporto a nível profissional no Japão.

Natsumi surge recentemente no projeto 60 Second Docs, uma página que nos conta histórias de gente invulgar no espaço de um minuto.

Conta Natsumi que, quando começou a praticar, houve gente que a olhou de lado. “Pensavam que o Sumo era só para homens gordos. Para provar a todos que estavam errados, decidir praticar todas as semanas”. O plano agora, diz ainda, é tornar-se a melhor do mundo.

Em 2016, foi a primeira japonesa a participar no US Open. Ficou em segundo lugar. A categoria tinha poucos participantes mas para esta japonesa era um marco a ser quebrado.