A livraria Lello tem efetuado obras dentro das instalações “quase exclusivamente em horário noturno”, de modo a manter portas abertas durante o dia, mas trabalhos específicos de recuperação dos soalhos do rés-do-chão e do primeiro andar impõem que se vede o acesso ao público durante os dois dias.

“O desgaste provocado pelos 111 anos de existência da livraria e pelos milhares de visitantes que recebe diariamente, justifica plenamente esta intervenção de conservação e restauro”, sublinha a Lello num comunicado em que se alude aos trabalhos em curso como sendo de “extrema complexidade”.

A funcionar num edifício neogótico classificado como Monumento de Interesse Público, a Lello reclama ter recebido mais de um milhão de visitantes “só em 2016”. É considerada uma das mais belas livrarias do mundo por vários órgãos da imprensa internacional – como o jornal The Guardian, que a elevou, em 2008, à terceira mais bela do mundo, ou a estação televisiva CNN, em 2014, que a considerou a mais linda do mundo.

As “profundas obras de conservação e restauro” do interior do edifício incluem a recuperação completa de madeiras e estuques, a reformulação da instalação elétrica e da iluminação, bem como a instalação de um novo sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado.

Estas obras, assinala a Lello, seguem-se a uma primeira fase do restauro, terminada em julho do ano passado, que incidiu na reabilitação da cobertura, no restauro da fachada e do vitral de grandes dimensões.

“A reabilitação da cobertura veio pôr cobro a infiltrações, melhorando a sua estanquidade, comportamento térmico e de ventilação. O restauro da fachada visou devolver as cores originais, especialmente às das duas figuras femininas da autoria de José Bielman e das letras ‘Lello e Irmão'”, nota o comunicado.

“Apesar de estas não serem as primeiras obras de conservação do edifício da Livraria Lello são, sem dúvida, as mais profundas e que se pautam por um extremo rigor técnico e científico, sendo acompanhadas por técnicos da Direção-Geral do Património Cultural”, afirmam os responsáveis pela livraria.