“Seguimos com a maior preocupação a escalada na retórica em torno da península coreana […] Apelamos consequentemente à contenção de todas as partes”, afirmou o porta-voz da diplomacia alemã, Martin Schäfer.

Um porta-voz do Exército Popular da Coreia do Norte afirmou hoje que Pyongyang “analisa meticulosamente um plano operacional” para um ataque em torno de Guam com mísseis de médio/longo alcance Hwasong-12 para “conter as principais bases estratégicas dos Estados Unidos na ilha, incluindo a de Andersen”, segundo um despacho da agência oficial norte-coreana KCNA.

Guam, um dos territórios “não incorporados” dos Estados Unidos, localiza-se a 3.430 quilómetros a sudeste da Coreia do Norte.

A base aérea de Andersen, situada no nordeste da ilha, acolhe bombardeiros B-1B com capacidade nuclear, que na terça-feira chegaram a ser enviados pelos Estados Unidos para a península coreana, de acordo com fontes militares sul-coreanas citadas pela agência de notícias da Coreia do Sul, a Yonhap.

A ameaça da Coreia do Norte teve lugar horas depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter advertido o regime de Kim Jong-un de que “é melhor não fazer mais ameaças aos Estados Unidos”, dado que terão como resposta “fogo e fúria nunca vistos”.