Las Vegas: Pelo menos 58 mortos e 515 feridos, Estado Islâmico reivindica ataque

Um homem abriu fogo esta segunda-feira, em Las Vegas, nos Estados Unidos, sobre a multidão, fazendo mais de 58 mortos e mais de 515 feridos. Suspeito está morto.

814

A atualização do número de vítimas mortais e feridos foi avançada pela polícia. Em conferência de imprensa, o xerife local, Joseph Lombardo, identificou o autor dos disparos como um habitante da cidade e acrescentou que as autoridades já localizaram a sua companheira, que era procurada pela polícia.

Inicialmente, a primeira versão avançada pela imprensava reportava que o autor do ataque tinha sido abatido pelas autoridades. Mais tarde, à comunicação social, Lombardo informou que este morreu com um tiro “auto-infligido” antes da polícia chegar ao quarto de hotel — local onde tinha perpetrado o tiroteio.

“Nós acreditamos que o indivíduo se matou antes de nós chegarmos”, disse à imprensa o xerife de Las Vegas.

O atirador já foi identificado pela polícia. Trata-se de Stephen Paddock, de 64 anos. Os seus registos públicos, de acordo com o britânico The Guardian, demonstram que viveu no Texas e na Califórnia. Foi encontrada ainda uma licença, de 2010, para caçar e pescar, no estado do Alasca.

Paddock foi descrito como “lobo solitário” sem ligação a qualquer grupo terrorista. O Departamento de Segurança Interna dos EUA afirmou que não há uma “ameaça específica e credível” que envolva outros locais públicos nos EUA.

No entanto, o Estado Islâmico reivindicou o ataque, segundo a agência de propaganda Amaq. Este dado foi revelado por Rita Katz, diretora do SITE, o centro norte-americano de vigilância de redes sociais usadas por terroristas.

O vice xerife de Las Vegas, Kevin McMahill, disse esta manhã numa entrevista à CNN que “havia pelo menos oito armas de fogo” no quarto de hotel do suspeito.

O alerta foi dado junto ao Mandalay Bay Casino. A polícia encerrou a avenida principal dos casinos de Las Vegas e outros acessos rodoviários à zona; e pede às pessoas que se mantenham longe desta zona.

Entre as vítimas mortais estão polícias que estavam fora de serviço, adiantou Lombardo. As suas identidades não foram todavia reveladas.

O chefe da polícia de Mesquite, Troy Tanner, disse que a polícia cercou e entrou na casa de Stephen Paddock, onde ele vivia com Marilou Danley, mas “não havia movimento” no interior da casa.

Escreve a BBC que um homem abriu fogo do 32.º andar do Mandalay, visando atingir pessoas que estavam num festival que decorria próximo do hotel. Mais de 40 mil pessoas assistiam ao festival de música country que decorria num espaço ao ar livre.

As autoridades urgem a população a entrar em contacto com a polícia caso tenham vídeos ou fotografias sobre estes trágicos acontecimentos, de forma a ajudar na investigação em curso.

Os disparos foram ouvidos na altura em que o concerto do músico ‘country’ Jason Alden estava prestes a terminar.

“Esta noite foi para lá de horrível”, escreveu o músico no Instagram. “Ainda não sei o que dizer, mas gostaria de informar a todos que a minha equipa está em segurança… magoa-me que isto possa acontecer a alguém que apenas veio para aproveitar aquela que deveria ter sido uma noite divertida”.

Testemunhas relatam que na parte final do concerto do músico Jason Aldean ouviram-se “disparos de armas automáticas” e que muitas pessoas que se encontravam no local fugiram para a cave do edifício vizinho ao recinto do concerto.

A polícia bloqueou o trânsito no centro da cidade e alguns voos do aeroporto internacional McCarran estão a ser desviados para outros destinos.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviou hoje condolências às vítimas e familiares de vítimas.

“Profundas condolências e solidariedade às vítimas do terrível tiroteio de Las Vegas e seus familiares. Deus vos abençoe!”, escreveu Trump no Twitter.

O papa Francisco declarou-se também hoje “profundamente triste” com o tiroteio em Las Vegas, evocando uma “tragédia sem sentido”.