Rumo a uma nova era digital

Margarida Cravid de Melo, CEO & Founder da CBA, fala-nos dos desafios da transformação digital e da inevitabilidade dos escritórios de contabilidade rumarem em direção à nova era digital. Venha connosco conhecer, igualmente, a CBA - Connecting Business Anywhere, uma nova forma de relacionamento com as empresas, pessoas e os seus negócios.

5519

Vamos começar por conhecer melhor a CBA – Connecting Business Anywhere. O que procuravam colmatar com a criação da CBA?

Procuramos ajudar e apoiar no crescimento e na organização das empresas com soluções empresariais inovadoras. Começa desde a ideia ao desenvolvimento do projeto e da criação da empresa até à implementação do negócio.

Connecting Business Anywhere é uma nova forma de relacionamento com as empresas, pessoas e os seus negócios, e com toda uma comunidade em geral, quer sejam clientes, fornecedores, parceiros e colaboradores em qualquer lugar onde estiverem. E temos feito jus ao nome, desde o início do ano a nossa carteira de clientes tem evoluído, e são oriundos de vários lugares como do Brasil, EUA, China, Reino Unido, Irlanda, Holanda, Espanha, França, Suíça, Croácia, Angola e Moçambique.

Em que é que querem diferenciar-se?

Pela simpatia, capacidade na resposta, pela qualidade do serviço que prestamos ao cliente, e também pela inovação, desta forma cria-se valor, reconhecimento e confiança.

Que posição pretendem assumir no mercado?

Seríamos muito ousados dizermos a 1ª posição!

é o que todos querem, mas sim ambicionamos a liderança de mercado pelo menos na cidade onde estamos, em Almada.

As soluções tecnológicas vêm tornar a gestão de um escritório de contabilidade mais ágil e rentável, bem como melhorar a relação com os clientes. Este é o maior impacto?

Sim, sem dúvida. Existe impacto no aumento da produtividade, na capacidade de organização, maior mobilidade e eleva o espírito de equipa entre os colaboradores. Com as soluções tecnológicas existe uma maior aproximação e interação com os clientes e acesso à informação a qualquer hora e em qualquer local com total segurança. Foi recentemente criado pela CBA uma solução inovadora chamada SendSaft, que possibilita o envio dos ficheiros Saft duma forma rápida e automática, permite à CBA e também aos nossos concorrentes uma maior rentabilidade e eficácia no trabalho.

Estão os escritórios de contabilidade preparados para a transformação digital?

Acho que estão em fase de mudança e de adaptação. Hoje se os escritórios de contabilidade querem fazer a diferença, não podem ter medo da transformação digital, têm que estar atentos e ver as coisas de outra forma, porque este é o momento certo para agir, porque a curto prazo irão ter vantagens em todo este processo.

É possível resistir à mesma e manter-se um escritório tradicional?

Será impossível resistir, tem de partir de nós, Contabilistas Certificados (CC), individualmente a a mudança, porque de futuro não será possível os CC se manterem num escritório tradicional.

A inovação é uma prioridade para qualquer setor e o setor da contabilidade não é exceção. Prova disso é o projeto e-fatura, lançado em 2013 pela Administração Fiscal, que transformou completamente a interação entre os cidadãos e os agentes económicos. Que outras vantagens impactantes podem ser enumeradas?

É deveras excelente e bastante inovador o fato de se poder validar e registar uma fatura eletrónica caso esta não tenha sido emitida pelo comerciante ou prestador de serviço. Para a Contabilidade não será a eliminação dos papéis em cima da secretária, mas com o e-fatura existe a vantagem de se poder obter as faturas eletrónicas (versão digital e é legalmente equivalente à fatura tradicional) através do ficheiro Saft e converter essa informação das vendas das empresas para os registos contabilísticos.

Mas estão a chegar mais transformações ao mundo da contabilidade. Quais?

Começa pelo recurso obrigatório a programas informáticos certificados de contabilidade para todas as empresas e que tenham a capacidade de gerar o ficheiro Saft em caso de haver uma auditoria por parte da AT-Autoridade Tributária. Deste modo as empresas que tenham contabilidade organizada, passam a efetuar o preenchimento automático dos anexos A e I da IES, mediante a submissão do ficheiro Saft gerado a partir do programa de contabilidade.

Qual é a sua visão sobre o impacto da tecnologia neste setor a médio/longo prazo?

Acho que nos próximos anos será essencial que os CC e empresários fiquem atentos ao progresso tecnológico que está perto, a fim de conseguirem dar resposta às atuais necessidades do mercado e dos seus clientes. É crucial que estejamos todos conscientes que o impacto e a transformação na contabilidade e nas organizações em geral é um processo que não termina, mas que evolui à medida que as empresas atingem um nível de maturidade, rumo a uma nova ERA DIGITAL.