Cada pessoa é uma pessoa e cada casa é uma casa

Cidália Ribeiro, Consultora Imobiliária na Keller Williams, trabalha há 14 anos neste setor. Afirma que não “vende casas”, até porque esta é “uma atividade de pessoas para pessoas e de relacionamentos”. Venha connosco saber mais.

398

Cidália Ribeiro começou, verdadeiramente, a traçar o seu caminho nesta atividade quando surgiu a oportunidade de integrar uma imobiliária com uma dimensão e estrutura significativas e com uma forte capacidade de recrutamento e acompanhamento dos comerciais. Aqui, teve a oportunidade de começar a destacar-se pelo seu trabalho.

Depois, surgiram os desafios. Desafios esses que passam pelo relacionamento interpessoal, pela confiança que têm de ganhar dos clientes, pelo fazer acreditar no que é feito neste setor ou, ainda, pelo deslumbramento. “É fácil deslumbrarmo-nos nesta atividade, mas temos que ter noção que é uma profissão de altos e baixos”, começa por referir a nossa entrevistada para quem, este percurso é, em si próprio, um desafio. “À medida que vamos crescendo vamos saindo da nossa zona de conforto e é importante estarmos rodeados de pessoas mais experientes que nos podem a ajudar a percorrer esse caminho. Sozinhos não conseguimos”, explica Cidália Ribeiro.

Outro dos desafios poderia passar pela desigualdade de género, visto tratar-se de um mercado que lida com setores mais orientados para o género masculino. No entanto, Cidália Ribeiro nunca encarou esse aspeto como um obstáculo, antes como um desafio onde encontrou soluções para o ultrapassar. “Não podemos ir contra uma parede até ela cair, mas sim saber contorná-la. Para isso é importante encontrar as pessoas certas para trabalharmos”, afirma.

Explica que, por vezes, as dificuldades que encontramos em ultrapassar alguns desafios prende-se com a falta de experiência ou alguma imaturidade normais quando estamos no início de uma atividade. “Nestes casos, a resiliência e a persistência são fundamentais. Senti que os desafios eram maiores à medida que ia evoluindo no mercado imobiliário, mas com o tempo fui ganhando ferramentas e audácia para os superar”, acrescenta Cidália Ribeiro.

Opinion maker do mercado imobiliário

Com objetivos bem definidos e estruturados, Cidália Ribeiro sabe para onde quer ir e como tem de fazer para lá chegar. Tem paixão pelo que faz e sabe.  procura informar-se e atualizar-se constantemente sobre esta atividade e sobre o que a rodeia. Gostava de ser uma opinion maker do mercado imobiliário e, juntamente com os objetivos que quer alcançar, já começou a redefinir a sua estratégia, bem como o seu plano de comunicação de informação.

Sabemos que, hoje em dia, as tecnologias trabalham a favor das empresas. Sites, redes sociais, vídeos e imagens são mais apelativos e são a porta de entrada para se conhecer uma empresa. “Nem sempre se consegue mostrar o potencial de uma casa através de fotografias, o vídeo vem complementar, dinamizar e ampliar a promoção da sua casa”, pode ler-se no site de Cidália Ribeiro.

“Estes vídeos técnicos do setor imobiliário trazem mais visibilidade o que acarreta, por conseguinte, credibilidade. Isto porque quem dá a cara não tem nada a esconder”, afirma a nossa entrevistada.

Encontra-se, portanto, a reunir ferramentas que se encaixam consigo e que lhe permitirão percorrer o seu caminho até aos resultados que quer alcançar. “De uma forma leve, atrativa e motivadora conseguimos alcançar as metas pretendidas e conseguimos fazer com que as pessoas sintam confiança nos processos de compra e venda e nos seus investimentos”, diz-nos, ainda, a nossa entrevistada.

Cidália Ribeiro promove, igualmente, através de vídeos, o auto-conhecimento para ajudar as pessoas a ultrapassarem os seus próprios desafios, obstáculos e limitações. E para também elas terem sucesso. “Mudar o nosso pensamento vai ajudar a mudar o nosso comportamento e os resultados serão diferentes”, afirma. 

A Keller Williams

Cidália Ribeiro abraçou este projeto da Keller Williams logo no momento em que a marca entrou em Portugal. “O objetivo da Keller Williams para cada um de nós é que sejamos um millionaire real estate agent, por isso toda a formação dentro da Keller Williams está estruturada para isso mesmo. Desde a formação inicial, para que os colaboradores se integrem nos métodos e sistemas de trabalho da empresa, passando pelo apoio durante o processo inicial de angariação de clientes e, desenvolvimento de toda a atividade, passando pelo o apoio nos processos de compra e venda, faz com as pessoas acreditem que é possível alcançarem os seus objetivos”, explica a nossa entrevistada.

Esta formação contínua durante todo o desenvolvimento e crescimento dos colaboradores dentro da empresa permite-lhes mudar a forma de pensar. “Muitas vezes não conseguimos chegar mais longe exatamente porque os nossos pensamentos nos limitam. Como Osho diz no título do seu livro: “Saia da sua frente”. Se conseguirmos mudar a forma como pensamos, automaticamente mudamos o que sentimos, o que resulta na mudança do nosso comportamento”, elucida-nos Cidália Ribeiro.

A Keller Williams é, para Cidália Ribeiro, uma excelente ferramenta de motivação e uma escola de aprendizagem que “nos ajuda a construir a nossa bagagem e a solidificá-la. Dá-nos asas para crescer e para nos identificarmos com um negócio que sentimos como sendo nosso”, acrescenta. 

“Não vendemos casas” 

Para Cidália Ribeiro o processo de venda de um imóvel não se trata apenas de vender uma casa. “Não vendemos casas. Isto é uma atividade de pessoas para pessoas e de relacionamentos. Quando falamos em “vender” implica estar a forçar alguém para comprar algo que pode não ser o que quer. Não é isso o que fazemos”, começa por referir.

Com o mercado imobiliário português ao rubro e bastante atrativo é necessário perceber muito bem o que é o cliente quer, o que não gostaria, de todo, de ter na sua casa e aquilo que é prioritário para ele numa casa. “Temos de traçar um perfil, qualificar as pessoas e, no momento em que está a ver o imóvel, perceber se há alguma empatia entre a pessoa e a casa. Temos de saber ler bem a sua expressão corporal e a sua comunicação não-verbal”, adianta a nossa entrevistada.

Cada pessoa é uma pessoa e cada casa é uma casa.” Não podemos ter o mesmo tratamento e fazer as mesmas perguntas a todos os nossos clientes. A compra de uma casa é uma compra bastante emocional. É, muitas vezes, a decisão mais importante da vida de muitas pessoas”, afirma Cidália Ribeiro.

Gestão de pessoas 

Para uma boa gestão de pessoas é importante, acima de tudo, conhecê-las muito bem e perceber onde é que elas podem brilhar, diz-nos Cidália Ribeiro. “Recrutar uma pessoa para um determinado cargo quando, na realidade, ela brilha noutro, é estar a apagar essa pessoa. Isso vai refletir-se na sua rentabilidade”.

Portanto, ler as pessoas e perceber onde é que se integram melhor, nas atividades, de acordo com a sua maneira de ser é um bom caminho. “Temos de ouvi-las e ouvir as suas necessidades e tentar perceber quais são as suas ambições. Porque quando temos uma equipa essa equipa tem de caminhar lado a lado como se fôssemos todos um só para alcançar resultados”, explica Cidália Ribeiro.

Ainda, sobre a igualdade de género, a nossa entrevistada defende que esta é uma atividade que se adequa perfeitamente tanto a homens como a mulheres. “Ela precisa do lado masculino, pragmático e com uma visão mais lúcida e clara.

Por sua vez, é necessária a sensibilidade da mulher com o seu lado acolhedor para compreender e ser empática em determinadas situações”, conclui.