O Governo aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, a Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar (ENCDA), cujo “objetivo central” é o de reduzir a quantidade de alimentos que são desperdiçados pelas famílias portuguesas.

Atualmente, o desperdício alimentar ronda o milhão de toneladas por ano, um valor que o Executivo quer que em 2030 seja apenas de metade.

Segundo o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural “este é um combate que se impõe a toda a sociedade e a cada um de nós”, razão pela qual o plano de ação do ENCDA prevê a implementação de 14 medidas que “estimulam o aproveitamento de alimentos através de diversos mecanismos que deverão entrar em funcionamento”.

A título de exemplo, uma dessas medidas diz respeito à “criação de pontos de venda específicos para produtos em fim de prazo de validade dentro das grandes superfícies, pontos que sejam facilmente identificáveis pelos consumidores e onde estejam garantidas todas as condições de segurança alimentar”.

Este sistema, lê-se no comunicado ministerial, deverá estar “regulado até ao próximo mês de julho”, sendo que até outubro “deverá surgir um projeto-piloto da plataforma de doação de alimentos que pretende ser um ponto de encontro entre a oferta e a procura, facilitando o contacto entre doadores e beneficiários, para que o circuito de alimentos se possa estabelecer com eficácia, retirando do desperdício toneladas de alimentos que deverão ser identificados por categorias”.

Por fim, o Ministério da Agricultura faz saber que será criado um “selo distintivo para as empresas ou operadores que levem a cabo iniciativas pioneiras no combate ao desperdício alimentar”.