Novos momentos

Apesar de sermos naturalmente resistentes à mudança, são os momentos novos que preenchem as nossas vidas e nos tornam mais ricos, em experiências, vivências, conhecimentos, pessoas. São os momentos que constituem Mudanças. Seja porque se procura mudar, seja porque as circunstâncias conduziram a tal.

1501

 

Uma startup define-se, grosso modo, como uma organização que começa de novo, o verdadeiro arranque de um projecto ou a extensão para uma nova geografia. Por defeito, as startups têm um grau de risco e incerteza elevado, mas constituem verdadeiros laboratórios de empreendedorismo, de decisões, de iniciativa, de mudança.

Uma característica fundamental para o sucesso das organizações, consolidadas ou em fase de arranque, é uma forte liderança.

E esse é o tema que me leva a partilhar o momento do meu percurso profissional, que se cruzou com uma startup, na área da Saúde.

A liderança, numa visão holística, mas de acordo com as exigências actuais dos mercados, não seria diferente da visão de há alguns anos. Depois de percebermos que o líder deve dominar competências técnicas e não técnicas, assumir esta constatação como actual não seria algo desadequado. A questão torna-se mais complexa porquanto essas são as características necessárias para executar o trabalho de um líder, mas não o de saber liderar, num cenário actual mais complexo, com múltiplas e muito diferentes gerações numa organização.

Um dos factores que mais alterações exige no perfil de liderança é a velocidade de disseminação da informação. Falando num mundo digital, multicanal, é fundamental ter a capacidade de dar resposta a questões que surgem depressa e que exigem soluções igualmente rápidas. Então, ao líder não basta ser a pessoa que mais e melhor sabe do negócio. Liderar exige criar, gerir e influenciar as equipas de alta performance, não pelos seus conhecimentos, mas pela sua capacidade de levar as pessoas a dar o seu melhor. A liderança pelo exemplo não pode ser meramente técnica.

A gestão do risco desta startup foi assumida desde o início pela forma como foram envolvidas as pessoas na organização. Reunimos profissionais altamente experientes e qualificados, que assumiram a construção da organização com base no seu grau de expertise, da sua experiência, de provas dadas.

Então, ao assumirmos que o líder de uma organização já não precisa de deter competências técnicas superiores a qualquer colaborador, a mudança que se exige ao nível de competências emocionais é, no mínimo, desafiante. É normal não ter todas as respostas, a solução de todos os problemas. Afinal, é normal que os líderes sejam humanos. Para isso, terão de trabalhar mais em equipa, delegar funções, dar autonomia, ser humildes, ser empáticos, naturalmente.

Tudo isto para dizer que a maior preocupação de uma organização, seja startup ou já instalada nos mercados, são as pessoas, os Recursos Humanos, sem qualquer receio de dizer que as pessoas são Recursos das organizações, acrescentando que se trata do Recurso mais importante, e que merece maior rigor na sua gestão.

É importante saber escolher as pessoas certas para um projeto. E essas pessoas, as certas, são as que melhor se adequam ao perfil pretendido. São estas que se irão comprometer com a organização.

Se pensarmos no desenvolvimento tecnológico, facilmente percebemos que serão as competências técnicas que mais rapidamente serão substituídas pela Inteligência Artificial.

A Gestão das Emoções, num mundo em que trabalhamos em equipas com diferentes motivações, objectivos, é fundamental criar uma dinâmica de grupo própria, com valores comuns, respeitando as individualidades e sabendo retirar das pessoas o que de melhor têm para dar.

Num mundo em que os clientes são diversos, mutáveis, tecnicamente literados, as organizações de sucesso dependem da diversidade de sentimentos que influenciam os processos de decisão.

Finalmente, o que não muda é a necessidade de termos líderes capazes de formar novos líderes, e assegurar que as organizações são tendencialmente mais responsáveis, no que diz respeito ao seu objecto de negócio, mas também a nível Social, Ecológico, Igualitário, enfim, algo de que nos possamos orgulhar e mostrar às gerações vindouras.

Miguel Coelho