A euPago é uma instituição de pagamento 100% nacional, acreditada e supervisionada pelo Banco de Portugal e com especialização no apoio a pagamentos realizados pela Internet. Que características diferenciam a euPago no mercado?

A euPago é uma Instituição de Pagamento que nasce de uma empresa de comércio eletrónico, que tem na sua génese dois fundadores com paixão pela tecnologia e pelo desenvolvimento. Esses dois fatores fazem com que a euPago se posicione como uma verdadeira Fintech. Soluções inovadoras e disruptivas são o nosso grande fator diferenciador.

No mercado atual é fulcral criar e oferecer soluções flexíveis que correspondam às necessidades dos clientes. Que vantagens ou mais-valias oferece a vossa instituição de pagamento às empresas e particulares?

Neste momento, somos a única Instituição de Pagamento que permite aos seus comerciantes a aposta em meios de pagamento inovadores. Um bom exemplo é o MBway: só agora é que os nossos concorrentes começaram a pensar em implementar uma solução que nós já implementámos há anos. Temos integração com SMS, módulos para dezenas de plataformas de e-commerce e softwares de faturação.

Para além disso, emitimos referências Multibanco em todas as suas vertentes, com data limite, sem data limite, por tranches, check digit, com ou sem pagamentos duplicados, entre outros. Mais do que um serviço, oferecemos aos nossos clientes a nossa visão, trabalho e dedicação. Fazemos o que for necessário para ter um cliente feliz.

As referências multibanco são um método muito popular para o pagamento de compras online em Portugal, existindo diversos sistemas de referências multibanco. A quem se destina a euPago?

A todos! A euPago é democrata. Não fazemos distinções entre clientes, desde que cumpram os requisitos impostos pelas autoridades competentes.

Crescem as burlas com pagamentos por referência multibanco. De que forma a euPago certifica a segurança dos seus utilizadores?

Tal como referido na pergunta anterior, a euPago cumpre e faz cumprir todas as normas impostas pelos reguladores. Todos os nossos comerciantes são alvo de um escrutínio rigoroso, mas o problema não são os comerciantes. Os nossos clientes são as vítimas e não os criminosos. No entanto, quando as pessoas são alvo de burlas e perdem dinheiro, é natural que fiquem zangadas. Nós compreendemos e tentamos mediar as partes, muitas vezes em nosso prejuízo.

A questão da segurança é muito importante para a nossa empresa, ao ponto de termos criado um manual de boas práticas e de tentarmos ajudar a evitar as burlas. Estamos sempre disponíveis para, quando questionados, dar conselhos que possam ajudar os compradores a identificar uma burla.

Mas é importante referir que os compradores têm, igualmente, de ter cuidado com as compras que fazem e suspeitar, por exemplo, quando artigos de 200€ estão a ser vendidos por 50€. Por outro lado, cabe também à SIBS a divulgação adequada sobre os ordenantes dos pagamentos.

De facto, os portugueses estão muito familiarizados com este meio que utilizam diariamente para pagar todo o tipo de serviços e despesas. Mas estão suficientemente consciencializados para o seu devido uso?

Infelizmente não. Mas é importante referenciar que não é o meio de pagamento em si o problema. O meio de pagamento não é inseguro. Devemos focar-nos na “educação” dos portugueses no que se refere a comprar online.

Que outros riscos estão associados aos pagamentos por referência multibanco?

Os riscos são os mesmos que estão associados a outros meios de pagamento. Efetuar compras num site de classificados ou a uma pessoa através de uma rede social não é o mesmo que comprar num site de comércio eletrónico devidamente identificado. O consumidor deve encarar as compras online da mesma forma que aborda as outras aquisições que efetua. Compra com o mesmo grau de confiança numa loja num shopping e a um estranho que acabou de conhecer na rua? É preciso pensar antes de fazer compras e não comprar por impulso (a preço demasiado baixo). Este é o primeiro passo para evitar burlas.

Como é que o utilizador se deve precaver, proteger os seus dados e certificar-se que está a lidar com um recetor legítimo e seguro?

Antes de fazer uma compra na Internet, aconselhamos vivamente que tome as devidas precauções. Para fazer uma compra segura:

  • Desconfie se o preço do artigo está claramente desvalorizado;
  • Se comprar num portal de classificados ou em redes sociais, não pague adiantado. Se possível, faça o negócio presencialmente;
  • Antes de pagar, certifique-se que os dados do vendedor são fidedignos;
  • Se desconfiar do negócio, investigue antes de pagar;
  • Procure referências do vendedor;

Se a entidade a pagamento for uma entidade da euPago, e se estiver desconfiado do negócio, contacte-nos. Teremos todo o gosto em ajudar a clarificar a natureza da sua compra.