João Semedo perdeu esta terça-feira a batalha contra o cancro. O antigo líder do Bloco de Esquerda morreu hoje, aos 67 anos.

“Tive a vida que escolhi, a vida que quis, não tenho nada de que me arrependa no que foi importante”, disse João Semedo, numa das últimas entrevistas, destaca o site Esquerda.net numa nota de pesar.

João Semedo tinha apenas 16 anos quando a política lhe ‘piscou o olho’ e aos 21 entrou para o PCP, por ser a única forma de combater o fascismo, a PIDE e a guerra colonial, e de lutar pela liberdade, a democracia, eleições livres e o fim do colonialismo.

Um partido que deixaria nos anos 90 por considerar que estava “esgotado” para passar a erguer a bandeira do Bloco de Esquerda. Depois de uma década como deputado, em 2013, a doença bateu-lhe à porta e roubou-lhe a voz. Partilhou a liderança do Bloco de Esquerda, entre 2012 e 2014, com Catarina Martins, numa altura frágil do partido

Fez da eutanásia uma das suas últimas bandeiras, que defendeu até à última. “Não é Deus que nos tira a vida, é a doença incurável e fatal”, afirmou em entrevista ao Notícias ao Minuto em abril do último ano, ano em que ainda chegaria a ser candidato autárquico ao Porto. Uma corrida que acabaria por abandonar  a meio devido a uma recaída. Entendia que “o natural seria as Esquerdas unirem-se” na Invicta.

Com António Arnaut, que também nos deixou este ano, João Semedo batalhava, também, noutra frente: salvar o Serviço Nacional de Saúde. Com esse lema, juntos apresentaram o livro ‘Salvar o SNS’, que propunha uma nova lei de bases para a saúde.

Membro da direção do movimento cívico ‘Direito a morrer com dignidade’, João Semedo nasceu a 20 de junho de 1951, em Lisboa, cidade onde frequentou o Liceu Camões e onde se veio a licenciar, na Faculdade de Medicina de Lisboa, em 1975.

João Semedo fundou, em 2003, com outros ex-dirigentes do PCP, o Movimento da Renovação Comunista. No ano seguinte, aceitou o convite de Miguel Portas para integrar como independente as listas do Bloco para o Parlamento Europeu.

A aproximação ao Bloco de Esquerda prosseguiu com a participação de João Semedo nas listas às legislativas pelo Porto e acaba por se tornar deputado, substituindo João Teixeira Lopes, em março de 2006.

Semedo acabou por aderir ao Bloco de Esquerda em 2007 e protagonizou candidaturas autárquicas em Gondomar (enquanto independente em 2005), Gaia (2009) e Lisboa (2013).

Catarina Martins, atual líder do Bloco de Esquerda, presta homenagem a João Semedo, no dia da sua despedida, agradecendo-lhe. “Obrigada, João”, escreve, partilhando uma fotografia dos dois.