O momento em que milhares de aves se dirigirem para África para invernar, é assim, uma oportunidade de usufruir de um espetáculo único. Os céus enchem-se de aves ­ – algumas delas ainda em busca da sua rota – e os principais pontos de Sagres enchem-se de pessoas de binóculos e telescópio apontados para o céu, mar e árvores.

Serão quatro dias com atividades – uma centena delas gratuitas – a decorrer de manhã à noite, em várias zonas de Vila do Bispo, com destaque para Sagres. Às populares saídas de observação de aves em terra e no mar juntam-se caminhadas pela Via Algarviana, passeios de quadbike, sessões de ilustração científica, limpezas de praia, passeios de observação de libélulas e libelinhas, e atividades focadas na observação holística da natureza. Os mais novos terão oportunidade de construir máscaras de aves, ouvir o conto das Berlengas, e muito mais. Tudo isto dentro do mote que une organização e participantes – a Natureza!

Mas o festival não tem apenas as aves como atrativo e, mais uma vez, terá um programa de atividades diversificado, cobrindo temáticas como arqueologia, geologia, história, flora, mamíferos marinhos, e muito mais. Tal como tem vindo a acontecer nas últimas edições, o festival incluirá também atividades dirigidas aos mais novos.

Outro dos pontos altos do evento é a componente do convívio entre participantes, que tem vindo a tomar cada vez mais relevância, sendo o festival já o ponto de encontro anual de muitos amigos e companheiros que têm o gosto em comum pelas aves e natureza.

O cartaz desta edição tem a águia-perdigueira (Aquila fasciata) em destaque, uma águia de grande dimensão, que se identifica pelo ventre branco, asas escuras e uma mancha branca no dorso (visível apenas nos adultos). A espécie, também conhecida por águia-de-bonelli, está classificada de “Em perigo” no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, tendo sido contabilizados 116 a 123 casais reprodutores em 2011. Após um declínio acentuado nos anos 80, a espécie apresenta atualmente uma evolução positiva, associada à sua contínua expansão no sul do país. A águia-perdigueira é também a Ave do Ano 2018 da SPEA e uma das espécies-alvo do projeto Life Rupis, um projeto transfronteiriço entre Portugal e Espanha, na área do Douro Internacional.

O festival é um evento que promove a partilha e a troca de experiências entre os amantes da natureza, e uma oportunidade de relaxar e usufruir das paisagens deslumbrantes e do inigualável pôr-do-sol de Sagres.

O festival, que vai na sua 9ª edição, conta mais uma vez com a Câmara Municipal de Vila do Bispo como entidade organizadora e com o envolvimento da Associação Almargem e da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

Para escolher à vontade de entre a ampla e variada oferta, é aconselhável preencher o mais cedo possível o formulário de inscrição no site do festival, uma vez que muitas delas esgotam rapidamente!

As novidades do festival podem ser seguidas no Facebook do Festival e em www.birdwatchingsagres.com.