Hotel dos Aliados quer ser reconhecido como estabelecimento histórico

O Hotel dos Aliados, cujo projeto original data de 1919 e sofreu uma última recuperação em 2012, quer ser reconhecido como estabelecimento de interesse histórico e cultural, razão pela qual a Câmara do Porto pretende abrir uma consulta pública.

404

proposta consta da ordem de trabalhos da próxima reunião da Câmara, a que a Lusa teve hoje acesso, e em causa está dar ao Hotel dos Aliados, edifício onde foram gravadas cenas do filme “A Costureirinha da Sé”, de Manuel de Guimarães, o estatuto de estabelecimento de interesse histórico e cultural ou social local.

O executivo liderado por Rui Moreira quer abrir um prazo de 20 dias de consulta pública, com início no dia 25 e término a 23 de outubro, conforme se lê na proposta, que é assinada pelo vereador da Economia, Turismo e Comércio, Ricardo Valente.

Além da consulta pública, este dossier vai ser avaliado pela União de Freguesias do Centro Histórico, onde se localiza o equipamento.

Sobre o Hotel dos Aliados, os anexos à proposta relatam que este estabelecimento turístico foi inaugurado em 1932, que a propriedade do equipamento passou por várias mãos e que desde 1998 o espaço tem a marca registada “Aliados”, o que significa que “caso encerre não é possível na cidade do Porto um outro hotel” ter esta designação.

O edifício é da autoria do arquiteto italiano Michaelangelo Soá, de 1919, integrando os primeiros projetos de remodelação da Nova Avenida das Nações Aliadas, atualmente designada avenida dos Aliados, que começou a ser aberta em 1916.

O espaço foi restaurado em 2012 por imposição da nova legislação, tendo a classificação sido ajustada para hotel de três estrelas.

A ficha de caracterização frisa que o projeto de recuperação, do arquiteto Jorge Gonçalves, mantém as bases da tipologia original, desde os quartos, à organização das escadas, caixilharias, fachadas e coberturas, somando-se a manutenção e integração de mobiliário original.

LUSA