Paris celebra “dia dedicado a Portugal”, promovido pela comunidade

Paris vai ser palco de "um dia dedicado a Portugal" com uma gala e um encontro de associações lusófonas no próximo sábado, 13 de outubro, no Hôtel de Ville.

172
© REUTERS

“É um dia dedicado a Portugal em Paris. Temos a gala à noite e durante o dia, acontece o encontro nacional de associações portuguesas em França. Portanto, temos um dia inteiro em que a Câmara de Paris está mobilizada para a comunidade portuguesa”, disse à Lusa Luciana Gouveia, delegada-geral da Associação Cap Magellan, que está encarregue da programação artística da gala.

A oitava edição da Noite de Gala, oferecida pela Câmara Municipal de Paris e programada pela Cap Magellan, vai juntar 650 convidados, entre artistas, empresários, dirigentes associativos, políticos, professores e “estudantes lusófonos ou lusófilos”.

Nos salões nobres do Hôtel de Ville, no centro de Paris, vão subir ao palco o fadista Rodrigo Costa Félix, enquanto António Manuel Ribeiro, líder dos UHF, João Grande, fundador dos Táxi e Boss AC vão atuar ao lado de jovens nomeados para o prémio revelação artística.

“O espírito da Cap Magellan, desde o início, é juntar artistas consagrados em Portugal com jovens lusodescendentes e lusófonos, lançar desafios aos primeiros para agilizarem momentos especiais com jovens desconhecidos”, explicou Luciana Gouveia.

A gala, que vai ser apresentada por José Carlos Malato e pela lusodescendente Sónia Carneiro, vai também recompensar projetos associativos, estudantes, cantores, jovens empreendedores e iniciativas cidadãs.

O evento realizou-se pela primeira vez em 2011, depois de um “Tratado de Amizade” entre Paris e Lisboa assinado pelos então autarcas António Costa e Bertrand Delanoë, e assinala-se, todos os anos, perto da data da Implantação da República Portuguesa.

“A gala vem de uma iniciativa política das câmaras municipais de Paris e Lisboa. O objetivo da associação é propor uma programação memorável e que a noite de gala seja incontornável da programação anual para a comunidade portuguesa de Paris e até de França de forma geral. Gostávamos que servisse de exemplo para outras cidades de França e até devia ser uma reivindicação da comunidade, mas aí entramos noutro debate que é a nossa eterna transparência”, acrescentou a dirigente associativa.

Ao longo do dia, a Coordenação das Comunidades Portuguesas da França (CCPF) vai organizar o 15.º Encontro Nacional das Associações Portuguesas de França e o 2° Encontro das Associações Lusófonas, sob o tema “O mundo associativo na Europa/O Futuro da Europa”.

“Na véspera das eleições europeias de 2019 e numa altura em que alguns países europeus escolheram o recolhimento ideológico, o futuro da Europa parece comprometido. A Coordenação das Comunidades Portuguesas da França propõe às associações portuguesas e lusófonas de vir refletir sobre estas questões europeias”, indica o evento criado numa página Facebook.

Entre as questões em debate vão estar “Que futuro para a Europa e para qual Europa? Que papel as associações podem desempenhar na construção da Europa? O que a Europa pode trazer ao mundo associativo? Qual é o lugar da língua portuguesa e das culturas de língua portuguesa na Europa?”.

Os convidados das mesas-redondas são o antigo embaixador em França Francisco Seixas da Costa, os historiadores Miguel Guerra e Vítor Pereira, o escritor Nuno Gomes Garcia, Adeline Afonso, presidente da associação Jeunes Européens -Paris, Ricardo Lopes, fundador e diretor da revista JG Jumelage/Geminações, Ana-Maria Torres, conselheira municipal na cidade de Bordéus, e Luísa Semedo, presidente da secção regional da Europa do Conselho das Comunidades Portuguesas.

O dia dedicado à cultura portuguesa acontece no fim-de-semana em que Portugal volta a estar em destaque na Festa das Vindimas de Montmartre, com iguarias, vinhos e artesanato.

Portugal participa no evento pelo segundo ano consecutivo e vai estar representado pelo município de Reguengos de Monsaraz, pela Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa e pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa.

LUSA