Em questões de preservação da floresta, somos um mercado maduro?

O valor da floresta é cada vez mais notório, e a necessidade de adoção de boas práticas prende-se com essa importância e com a consciencialização da sociedade civil nessa matéria.

O uso de produtos florestais é recomendável, mas implica responsabilidade acrescida de assegurar uma gestão apropriada, motivo que levou à criação do Forest Stewardship Council® (FSC®), uma organização internacional, dedicada à promoção de uma gestão ambientalmente adequada, socialmente benéfica e economicamente viável, das florestas no mundo inteiro.

A certificação florestal permite escolhas esclarecidas sobre a origem dos produtos, contribuindo para uma mudança positiva através do poder da dinâmica de mercado.

Prova disso é o aumento da certificação de Cadeia de Custódia, essencial para organizações que procuram ter acesso a mercados conscientes em termos ambientais e sociais, ou para dar cumprimento a políticas de compras públicas e privadas, que especificam materiais ambientalmente responsáveis.

A garantia de que os produtos provêm de florestas bem geridas, que apoiam a conservação dos espaços florestais, permite que o mercado possa ser um incentivo para uma melhor gestão florestal.

Assumiu, em junho de 2017, funções enquanto Secretária Executiva. Que desafios surgiram com esta nova posição?

Essencialmente os associados às questões Normativas. A implementação de novos Indicadores Genéricos Internacionais do FSC, levou à necessidade de revisão da Norma de Gestão Florestal. Portugal foi o primeiro país a ter a nova norma aprovada pelo FSC Internacional, publicada em 2018.

Mais recentemente outro processo foi aprovado, a Análise de Risco da Madeira Controlada, que define cinco categorias de material inaceitável no FSC.

Estes dois processos, a par da Cadeia de Custódia, são a base do FSC e têm de ser assegurados pelo sistema.

Além das questões Normativas, outros tópicos estão na base do nosso trabalho, como a promoção da certificação de grupo em áreas de minifúndio, e a avaliação dos benefícios da certificação florestal.

A presença feminina é cada vez maior no mundo dos negócios. Alguma vez enfrentou obstáculos pelo facto de ser mulher?

O FSC está assente em três Câmaras – Ambiental, Económica e Social. Nesta vertente social a igualdade de género tem uma importância significativa.

No meu percurso profissional nunca senti dificuldades por ser mulher e, na verdade, o FSC Portugal sempre teve uma presença feminina bastante forte.

Que balanço é possível fazer dos dez anos de atividade do FSC em Portugal?

A evolução é notória. Em 2006 tínhamos 73.000ha certificados e 15 certificados de Cadeia de Custódia (CoC), atualmente temos 414.000ha e 277 CoC. Isto significa que a implementação da certificação no terreno é efetiva, mesmo no regime de pequena propriedade, que imprime desafios adicionais.

Na área de Mercado, alcançámos também já alguns marcos, como parcerias estratégicas, que nos permitem sensibilizar para a importância de uma gestão florestal responsável.

O FSC pretende alertar para um consumo responsável, e para o impacto que as escolhas dos consumidores podem ter na preservação das florestas. Os portugueses estão consciencializados para esta questão?

Temos consciência do trabalho que ainda será necessário desenvolver para um reconhecimento inequívoco do símbolo FSC e do seu significado. Mas, de facto, a certificação florestal é uma ferramenta que dá aos consumidores a garantia que os produtos que compram provêm de florestas bem geridas.

Ao comprar produtos FSC, todos contribuímos para uma gestão responsável das florestas e um uso consciente dos recursos, já que todos devemos questionar e exigir produtos de origem sustentável.

A 28 de setembro comemorou-se o FSC Friday, uma data que se celebra mundialmente. O que se pretende com este dia?

O FSC Friday é comemorado anualmente na última sexta-feira de setembro, e é um dia dedicado à reflexão sobre a importância da gestão florestal responsável e ao papel que o FSC desempenha neste âmbito.

Este ano, Portugal celebrou a data com um jantar vínico, que reuniu produtores de vinho, fabricantes de rolha de cortiça e demais agentes do setor, na partilha de experiências sobre modelos de sustentabilidade dos seus negócios.

Ao longo dos anos o FSC tem trabalhado em prol da floresta, e das pessoas e animais que dela dependem, e o FSC Friday é sobre compartilhar essa mensagem de contributo para a preservação da floresta, para que mais pessoas reconheçam o nosso trabalho.​