Maior risco de hipertensão arterial, maior risco de doença vascular, de enfarte, de obesidade e de várias outras doenças. Os números e dados dão conta de uma associação perigosa entre a diabetes e várias comorbilidades, “mas mais do que um risco duplo, a diabetes agrava o prognóstico de todas as doenças”, garante José Manuel Boavida, presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), que acrescenta: “cerca de 1/3 das pessoas que sofrem enfarte ou AVC têm diabetes, que aumenta a mortalidade por doenças cardiovasculares, doenças oncológicas ou doenças infeciosas”.

A associação entre a diabetes e estes problemas serve de mote para a campanha, lançada pela APDP com o apoio da AstraZeneca por ocasião do Dia Mundial da Diabetes, que se assinala no próximo dia 14, e que deixa o apelo: ‘Seja mais rápido que o seu risco’. Uma rapidez que importa reforçar, tanto mais que, refere José Manuel Boavida, “tem havido na diabetes uma visão muito centrada na glicemia”. Por isso, o especialista considera que “a compreensão da importância do risco vascular é hoje uma prioridade, não só para os profissionais de saúde, mas também para as pessoas com diabetes. O controlo rigoroso dos fatores de risco é essencial: tabaco, inatividade, obesidade abdominal, hipertensão, dislipidemia, esteatose hepática…”

Neste controlo, o envolvimento da família é, garante, “um facto. Mas ela será tão mais efetiva e eficaz quanto mais apoiada”. O que significa, de acordo com o especialista, abrir “as consultas aos familiares”, assim como criar sessões dirigidas aos familiares, que “serão o meio de o conseguir e de conseguirmos a sua compreensão para a complexidade da diabetes”. Até porque, acrescenta, “o dia-a-dia das pessoas com diabetes é um verdadeiro emprego, imposto pela doença. O controlo da glicemia, da alimentação, da atividade física, da hipertensão e de outros fatores de risco exige uma educação estruturada e uma acessibilidade inequívocas”.