“Consolidámos o posicionamento da Fidelidade como uma marca mais forte”

Fidelidade Angola é, por si só, sinónimo de excelência e qualidade. Mas quisemos saber mais e fomos conversar com Armando Mota, Presidente da Comissão Executiva da Fidelidade Angola, que nos deu a conhecer um pouco mais de uma marca altamente comprometida com os seus clientes e que aposta em inovação e rigor no que concerne a lidar com o mercado.

192

A Fidelidade Angola é hoje um dos principais players do seu setor a atuar no mercado angolano. Para contextualizar o nosso leitor, quais são as principais características da marca que perpetuam na mesma um sentido de proximidade e credibilidade junto do cliente?

A Fidelidade Angola é uma empresa altamente comprometida com o mercado onde atua. Aposta em produtos e serviços inovadores e adequados às necessidades e exigências dos clientes; lidera pelo exemplo, com base em princípios de ética e de independência; está atenta ao desempenho dos seus colaboradores e estimula-os frequentemente a progredirem e a contribuírem para que a estrutura seja cada vez mais ágil e mais moderna; aposta claramente em novas plataformas de comercialização e na melhoria contínua do ambiente de trabalho, assim como nas sinergias entre os acionistas e os parceiros. Por fim, a cidadania é vista como um dever e uma missão, motivo pelo qual está presente de forma transversal em muitas atividades da companhia, designadamente no apoio social e no apoio à prática de desportos saudáveis, que fomentam boas relações na comunidade.

Olhando para o mercado angolano, de que forma analisa, no âmbito do vosso core business, o mesmo e como têm crescido na conquista de quota de mercado?

A economia angolana vive um momento de crise, que se reflete naturalmente no poder de compra dos nossos clientes – quer dos atuais quer dos potenciais. Em tempos de crise os seguros são vistos com uma necessidade de segundo plano, o que, consequentemente, nos impede de crescer ao ritmo que gostaríamos.

Acresce que em Angola, embora haja dois seguros obrigatórios (Seguro Automóvel e Seguro de Acidentes de Trabalho), a taxa de securitização dos particulares e das empresas continua a ser demasiado baixa.

Assim sendo, como é que temos atingido os resultados que apresentamos e como nos mantemos no top 3? Apostando no alargamento da nossa presença territorial; numa equipa comercial profissional e em constante formação; lançando produtos e soluções inovadoras; prestando serviços de excelência e diferenciadores como o que disponibilizamos na área da resolução de sinistros. Veja que abrimos todos os processos no dia da participação desde que comunicados à companhia até às 16 horas, marcamos a peritagem para o dia seguinte, encaminhamos a peritagem e a reparação para a nossa Rede de Oficinas Recomendadas. Com esta atuação conseguimos transformar algo desagradável numa experiência positiva e conseguimos fechar cerca de 60% dos processos em três dias, uma vez que a peritagem dos mesmos é realizada no dia em que está agendada. Last but not the least, obviamente que não descuramos as melhores práticas internacionais através das sinergias com a Casa Mãe e com as restantes operações, situadas noutras geografias.

Em setembro de 2017, a Universal Seguros alterou a marca e passou a denominar-se Fidelidade Angola. Passado um ano, como foi realizado esse processo e de que forma é que foram dando continuidade ao trabalho desenvolvido nos diversos segmentos e produtos?

A marca Fidelidade fala por si em qualquer geografia. Apresentada e comunicada a alteração da marca e feito o rebranding em todos os suportes – no último trimestre de 2017 – tivemos efetivamente o ano de 2018 para consolidar a operação já com a nova insígnia. No processo de rebranding procedemos atempadamente à alteração da marca em todos os suportes (fachadas das agências; suportes para promoção de produtos; formulários; suportes para comunicação impressa e digital). Consolidámos o posicionamento da Fidelidade como uma marca mais forte, com larga experiência (mais de 200 anos) e, consequente, com mais know-how. Desenvolvemos e implementámos um conjunto de produtos especificamente concebidos para o segmento de particulares e pequenos negócios (onde se incluem os profissionais liberais e empresários em nome individual) – designadamente o novo seguro automóvel e o novo seguro de saúde. E intensificámos o desenvolvimento de parcerias e protocolos com ordens profissionais, associações; e entidades coletivas.

Este projeto passou, acima de tudo, pela afirmação da marca em Angola?

Fruto das ações de comunicação desenvolvidas, a mudança efetuada contribuiu para uma maior consolidação da marca no mercado angolano, o que nunca nos pareceu difícil atendendo ao ADN da Fidelidade. Aliás, a comprová-lo está o facto de no primeiro semestre de 2018 termos, segundo a Publivaga, duplicado a notoriedade da marca.

A vossa dinâmica assenta mais na vertente do negócio, mas atualmente há uma maior preponderância a nível da vossa estratégia direcionada para o cliente particular? Era um setor onde a marca ainda não se encontrava devidamente sustentada e presente?

Para este ano, e estrategicamente, foi definida uma prioridade de abordagem ao segmento de particulares, através da criação de um conjunto específico de produtos e soluções. Um bom exemplo disso foi o que fizemos com o seguro automóvel e com o seguro de saúde, mas também com o seguro de funeral, que em Angola tem uma importância significativa.

Já detínhamos uma forte presença no mercado corporate, que é muito importante para a solidez da companhia e que queremos obviamente manter. Temos como clientes a maioria das grandes empresas privadas que operam em Angola. São clientes fidelizados e com graus de satisfação elevados relativamente aos serviços que prestamos. Havia, contudo, que apostar nos particulares e pequenos negócios, porque crescer e diversificar é a palavra de ordem da companhia.

A vossa dinâmica assenta mais na vertente do negócio, mas atualmente há uma maior preponderância a nível da vossa estratégia direcionada para o cliente particular? Era um setor onde a marca ainda não se encontrava devidamente sustentada e presente?

Para este ano, e estrategicamente, foi definida uma prioridade de abordagem ao segmento de particulares, através da criação de um conjunto específico de produtos e soluções. Um bom exemplo disso foi o que fizemos com o seguro automóvel e com o seguro de saúde, mas também com o seguro de funeral, que em Angola tem uma importância significativa.

Já detínhamos uma forte presença no mercado corporate, que é muito importante para a solidez da companhia e que queremos obviamente manter. Temos como clientes a maioria das grandes empresas privadas que operam em Angola. São clientes fidelizados e com graus de satisfação elevados relativamente aos serviços que prestamos. Havia, contudo, que apostar nos particulares e pequenos negócios, porque crescer e diversificar é a palavra de ordem da companhia.

É legítimo afirmar que a Fidelidade Angola aposta na proximidade e fidelização dos seus clientes? Em que moldes têm vindo a perpetuar isso mesmo?

Claro que apostamos na proximidade com os nossos clientes. Fazemo-lo através do alargamento da nossa rede de agências, a nível nacional; lançando soluções inovadoras para os servir – a Fidelidade Angola foi a primeira companhia a disponibilizar a aquisição e ativação de seguros através da Rede Multicaixa; celebrando um protocolo com o Shoprite (maior rede de distribuição alimentar), que nos permitirá, para além de alargar a nossa presença junto de clientes do segmento de particulares e pequenos negócios, ter horários de atendimento diferenciados; e apostando na presença física em parceiros onde se encontram os nossos clientes. Para além disso – e de forma inovadora – criámos este ano a Fidelidade Especialistas.

Trata-se de uma rede comercial interna, atualmente composta por 56 colaboradores diretos da companhia, que recebem formação específica e intensiva sobre os produtos e sobre as melhores e as mais avançadas técnicas de contacto e de interação com os clientes para depois melhor interagirem com os particulares, quer seja em sua casa quer seja no seu escritório. Porque estes profissionais vão ao terreno, conhecem as pessoas, aproximam-se delas, criam relações.

É nosso objetivo que a rede Fidelidade Especialistas esteja em breve presente nas 18 províncias de Angola, com uma força comercial estimada de dois mil especialistas.

A terminar, quais são os grandes desafios de futuro da marca e de que forma pretendem continuar a promover uma atuação que assente no vosso lema: Estamos Seguros, Para que a Vida não Pare”?

O grande desafio, sustentado no crescimento seletivo, com a criação de valor como objetivo central, será atingir uma posição cimeira no sector segurador angolano, sempre com base nos princípios da ética, da qualidade do serviço ao cliente, da excelência, da inovação e da eficiência profissional. A adequada gestão da carteira de riscos, com a devida cobertura de resseguradoras internacionais, que nos permitam um elevado nível de segurança, é outro dos objetivos cimeiros da nossa atuação, porque dele depende em muito a confiança que o mercado em nós deposita. Por fim, na Fidelidade Angola estamos não só preocupados com os nossos clientes, mas também com a sociedade angolana em geral porque a cidadania é um dos pilares em que assenta a nossa atuação.

Estamos convencidos que, enquanto empresa, temos impacto no quotidiano, na formação e na sensibilização para a segurança e para a saúde da sociedade em que atuamos diariamente. Queremos unir esforços com os diferentes meios e atores disponíveis, de maneira voluntária e segura, para que possamos contribuir ativamente para o desenvolvimento da nação e de quem a constrói e a faz progredir todos os dias.