Estivemos à conversa com Cláudia Costa, Proprietária e Fundadora da Artist Key, que nos deu a conhecer um pouco mais de uma marca que tem crescido imenso desde a sua edificação, em 2014, e que hoje é um caso paradigmático do sucesso. O poeta escreveu… “O Homem sonha, a obra nasce”, mas neste caso, é… “A Mulher sonha, a obra nasce”. A nossa interlocutora personifica exatamente essa imagem, ou seja, uma lutadora, uma criadora, uma pessoa que vai sempre à luta. No fundo, Cláudia Costa é a denominada «self made woman», e que gosta de fazer as coisas acontecer. “Gosto de lidar com pessoas e quando sonho com algo tento fazer tudo para tornar isso possível, como o caso da Artist Key, que é algo que ainda hoje me dá um enorme prazer de liderar”, assevera.

Já com uma vasta experiência na área dos eventos corporativos, a nossa entrevistada decidiu «lançar-se» sozinha neste universo e apostou no país vizinho, em Espanha, onde lançou a primeira pedra da Artist Key, hoje a sede da empresa é em Portugal continuando, no entanto a operar, em todo o mercado Ibérico. “Estamos presentes em vários pontos como Madrid, Barcelona, Porto, Lisboa e Algarve”, afirma a responsável da marca que representa atualmente cerca de 2500 artistas dispersos por estes pontos geográficos. “No início éramos nós que tínhamos que fazer esse trabalho de procurar os artistas e profissionais. Hoje, felizmente, estamos num patamar muito positivo e acontece o inverso, ou seja, são os artistas a procurar a Artist Key e isso deixa-me, naturalmente, extremamente satisfeita”, esclarece.

A atenção ao pormenor, o rigor e capacidade de oferecer um produto/serviço totalmente personalizado fazem da Artist Key uma mais-valia no domínio do seu core business, os eventos corporativos. “Só sabemos estar assim no mercado e é assim que temos criado relações duradouras e de confiança com quem nos procura, os nossos clientes. Fazemos o chamado «taylor made», ou seja, providenciamos e preparamos tudo para que o nosso cliente fique satisfeito. Para nós não existem impossíveis e damos sempre resposta às solicitações dos nossos clientes de forma independente ou em conjunto com os nossos parceiros, revela Cláudia Costa, lembrando que o facto da marca operar com grandes empresas e instituições leva a esse nível de excelência. “Temos sempre a mesma forma de trabalhar, independentemente da dimensão do nosso cliente porque todos são importantes. Os nossos principais clientes são neste momento empresas internacionais que até agora sempre nos voltaram a procurar, isso significa que gostaram e apreciaram a nossa forma de estar e atuar sendo esse desde sempre o nosso objetivo, a fidelização”.

“Levar um pedaço de nós”

Líder e sonhadora nata, a nossa entrevistada tem mais projetos preparados para o novo ano, 2019 e por isso vai lançar duas grandes novidades. Take Lisbon Home e Take Alentejo Home, dois conceitos que surgiram no seguimento da Take Algarve Home a primeira marca das suas souvenirs. Assim, em janeiro de 2019 serão lançados estes novos produtos/conceitos que prometem fazer as delícias de quem os comprar. Mas que projetos são estes? 

Os vários anos de experiência em eventos corporativos permitiram identificar uma necessidade por parte de quem nos visita de levar para casa uma recordação do Algarve, de Lisboa e do Alentejo que fosse diferenciadora tanto a nível de qualidade de produtos, como de design. Assim, iremos disponibilizar as nossas souvenirs além do mundo corporativo, através de pontos de venda em locais como museus, aeroportos, hotelaria e lojas do ramo selecionadas. “Queremos ser uma força desestabilizadora deste mercado com a irreverencia da nossa marca sempre lado a lado com a tradição do que é nosso e do que é típico nestas três regiões. Com as nossas souvenirs será possível quem nos visita levar para casa um pedaço da alma portuguesa.”

“Crescer e mostrar o que somos”

Com capacidade para dar resposta às solicitações dos clientes em qualquer parte do mundo, fruto da capacidade digital que aporta através do website (www.artist-key.com), segundo Cláudia Costa, Portugal está neste momento muito desenvolvido no domínio da realização de eventos corporativos. “Conheço o mercado Ibérico a fundo e posso garantir que hoje o mercado luso tem ganho muito espaço ao mercado espanhol pela qualidade, personalização e exigência que são impostas”, esclarece. Mas o que podemos continuar a esperar por parte da nossa entrevistada e dos seus projetos para 2019? “Ao nível da Artist Key pretendemos manter esta senda positiva, fidelizando o cliente e dando sempre uma resposta de qualidade, excelência e rigor. Iremos aumentar a nossa presença na zona norte do país resultado direto da procura que temos tido do Porto para eventos corporativos. “Na vertente das souvenirs, contamos com surpreender tudo e todos ao mostrar o que somos, dar a conhecer a nossa cultura, história e tradições através dos nossos produtos únicos”, conclui a nossa interlocutora.