O Hub Monitor está a ser utilizado pela equipa operacional da Emirates no Dubai para partilhar e monitorizar em tempo real as várias atividades realizadas na preparação de um avião para a sua partida. Através do seu sistema de monitorização e alerta proativo, a aplicação ajuda a evitar atrasos e a melhorar o desempenho no tempo certo, o que pode conduzir a uma melhor experiência do passageiro.

Adel Al Redha, Vice-Presidente Executivo e Diretor de Operações da Emirates, disse: “A app Hub Monitor é uma ferramenta única e inovadora que foi desenvolvida de acordo com a nossa visão de reavaliar continuamente os nossos procedimentos e introduzir os meios mais inteligentes e eficientes para melhorar as operações, de modo a criar a melhor experiência do passageiro. (…)”

Preparação dos aviões da Emirates no Dubai

A Emirates é a maior companhia aérea internacional do mundo a operar uma frota de 270 aviões de larga dimensão, Airbus A380 e Boeing 777. Todos os dias, partem do Dubai para destinos em seis continentes cerca de 255 voos da Emirates, os quais variam entre menos de uma hora e mais de 17 horas. Neste sentido e a fim de evitar atrasos nos voos, é extremamente importante que todo o processo seja feito da forma mais eficiente possível, o que implica que os aviões cheguem ao Dubai e sejam preparados para a próxima partida, sem comprometer a qualidade ou a segurança do passageiro.

Atualmente, são necessários cerca de 105 minutos para preparar o A380 da Emirates, o maior avião de passageiros comercial do mundo, e perto de 90 minutos para preparar o Boeing 777, para a partida do hub no Dubai.

Há várias atividades envolvidas no processo de preparação da viagem de regresso de um avião. Algumas delas incluem a limpeza completa do interior dos aviões, a verificação dos serviços de água e da casa de banho, alimentação a bordo e o abastecimento das refeições para os passageiros, a manutenção da unidade de energia auxiliar do avião, o reabastecimento do mesmo, bem como verificações de manutenção e carregamento de bagagem e a entrada dos próprios passageiros. Um atraso em qualquer uma destas atividades pode ter um impacto cumulativo nas operações seguintes.