Alguns dos hot topics deste Simpósio relacionam-se com o facto destes doentes poderem beneficiar de mais opções terapêuticas a partir de um método já disponível em Portugal – a biópsia líquida. Esta técnica representa um novo método, mais rápido e menos invasivo que determina o biomarcador RAS – detetando as mutações do tumor a partir de uma análise de sangue. Este método inovador ajudará a selecionar os doentes certos para o tratamento mais eficaz, permitindo aumentar a taxa de sobrevivência.

Até à disponibilização das biópsias líquidas, era necessário extrair uma amostra do tecido tumoral para conhecer a evolução do cancro colorretal. Tratava-se de um método invasivo para o doente, que exigia uma cirurgia.

Segundo Pedro Moura, Managing Director da Merck Portugal, “O facto deste simpósio se encontrar já na 12ª edição revela a grande valia e qualidade científica da iniciativa, bem como a sua importância para os especialistas desta área que encontram aqui uma oportunidade de se reunirem e partilharem experiências.”

O cancro colorretal é a terceira causa de morte por cancro em todo o mundo. Em Portugal, são diagnosticados mais de 7.000 novos casos a cada ano, existem cerca de 80 mil doentes ativos e 50% da população desconhece os sintomas desta patologia.