“Exposição de Camélias e Orquídeas” regressa ao Terreiro do Palácio Nacional de Sintra

O terreiro do Palácio Nacional de Sintra acolhe, no fim de semana de 9 e 10 de fevereiro, a “Exposição de Camélias e Orquídeas”, organizada pela Parques de Sintra, em colaboração com a Associação Portuguesa de Camélias (APC) e o Clube dos Orquidófilos de Portugal (COP). Antecipando a chegada da primavera, esta colorida mostra anual, de entrada gratuita, visa promover o valor botânico associado às camélias e orquídeas em Sintra e conta com um vasto programa de atividades, como visitas guiadas, workshops, espetáculos e demonstrações.

593

Como já vem sendo tradição, uma vez que esta é a nona edição da exposição de camélias e a quinta da exposição de orquídeas, será possível observar os melhores exemplares destas plantas trazidos por cada um dos participantes. No dia 9, serão eleitas a melhor espécie de camélia e de orquídea em exposição; a melhor cultivar portuguesa de camélia em exposição; o melhor híbrido de orquídea em exposição; entre outras distinções.

Este ano, o evento é dedicado ao Japão, país com fortes ligações culturais a Portugal, desde há vários séculos, que se refletem, nomeadamente, no gosto pelas várias espécies de camélias e orquídeas oriundas do continente asiático que são cultivadas nas quintas, jardins e casas portuguesas desde o séc. XIX. Para os Samurais, certos tipos de camélias e de orquídeas revestiam-se de grande simbolismo. Refiram-se, a título de exemplo, as “camélias higo”, originárias de Kumamoto. Como prova da devoção ao seu mestre, mas também de fidelidade e de respeito pelos seus antepassados, os Samurais tinham a prática de plantar e cuidar da camélia favorita do parente falecido.

É esta cultura milenar que se celebra nesta edição, onde será possível participar em workshops de bonsai, assistir a demonstrações de técnicas de origami e apreciar a singularidade do teatro de sombras e das artes marciais japonesas. Também as visitas guiadas que integram o programa permitem, por um lado, entender a relação Portugal-Ásia ao longo dos séculos, através de um percurso no Palácio Nacional de Sintra, e, por outro lado, apreciar a beleza poética das camélias em flor no Parque da Pena. Todas as atividades são de entrada livre, mas, em alguns casos, implicam uma inscrição prévia.

O cultivo de camélias e orquídeas em Sintra

A primeira camélia introduzida na Europa deverá ter chegado a Portugal no século XV. Já no séc. XIX, explorou-se o seu potencial de cultivo no exterior, com propósitos ornamentais, e assistiu-se ao desenvolvimento de novas cultivares por colecionadores botânicos privados e viveiristas portugueses. Em Sintra, as camélias assumiram-se, então, como o ex-libris do inverno. D. Fernando II introduziu no Parque da Pena uma coleção fornecida pelos mais prestigiados viveiristas europeus, com destaque para a coleção de cultivares portuguesas produzidas pelo viveirista Marques Loureiro, do Porto.

Em 2014, o estudo e a identificação dos 2258 exemplares de espécies e cultivares existentes no local culminou na classificação do Parque da Pena como Jardim de Camélias de Excelência, pela Associação Internacional de Camélias. O valor botânico e a diversidade da coleção da Vila Sassetti também merecem referência.

No que diz respeito às delicadas orquídeas, é de salientar que, desde muito cedo, despertaram a atenção de colecionadores botânicos, bem como da casa real portuguesa e dos proprietários das quintas de Sintra. Sublinhe-se que importantes viveiristas da Serra de Sintra dedicaram uma importante parte da sua atividade à produção de flor de corte com os conhecidos “sapatinhos” (Paphiopedilum), naturais do continente asiático.

PROGRAMA:

Sábado, 9 de fevereiro

10h00 – 18h00 – Exposição e venda de camélias e orquídeas | Terreiro – tenda (entrada livre)

11h00 / 15h30 – Demonstrações de propagação, envasamento e manutenção de orquídeas | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

11h15 / 15h45 – Workshop de bonsai (duração 1h00) | Área de estar (gratuito, mediante inscrição prévia. Máx. 10 pessoas por grupo)

12h00 / 16h00 – Demonstrações de técnicas de propagação e poda de camélias | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

13h00 / 16h30 – Demonstrações de técnicas de origami | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

14h30 – Abertura oficial da exposição e entrega de prémios | Terreiro – tenda (entrada livre)

  • Melhor espécie de camélia em exposição
  • Melhor cultivar portuguesa de camélia em exposição
  • Melhor espécie de orquídea em exposição
  • Melhor híbrido de orquídea em exposição
  • Melhor expositor de venda de camélias e orquídeas
  • Melhor mesa em exposição

14h30 – Visita guiada “Camélias de Excelência” no Parque da Pena | Ponto de encontro: Entrada Portão dos Lagos do Parque da Pena (gratuito, mediante inscrição prévia. Máx. 20 pessoas)

15h00 – Exibição de artes marciais japonesas | Terreiro do Palácio Nacional de Sintra (entrada livre).

Domingo, 10 de fevereiro

10h00 – 18h00 – Exposição e venda de camélias e orquídeas | Terreiro – tenda (entrada livre)

11h00 – Visita guiada ao Palácio Nacional de Sintra: Relação Portugal-Ásia | Ponto de encontro: Entrada do Palácio Nacional de Sintra (gratuito, mediante inscrição prévia. Máx. 20 pessoas)

11h00 / 15h30 – Demonstrações de propagação, envasamento e manutenção de orquídeas | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

12h00 / 16h00 – Demonstrações de técnicas de propagação e poda de camélias | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

13h00 / 16h30 – Demonstrações de técnicas de origami | Terreiro – tenda (gratuito, limitado à capacidade do espaço)

15h00 – Teatro de sombras “O Rapazinho do Carvão” (p/ maiores de 6 anos, duração 30 min.) | Área de estar (gratuito, limitado à capacidade do espaço). 

– Todas as inscrições devem ser feitas até dia 7 de fevereiro, para o email info@parquesdesintra.pt. A inscrição é finalizada após receção de email com a confirmação.

– As atividades no exterior poderão ser canceladas, caso as condições meteorológicas sejam adversas.

– Mais informações sobre o programa em www.parquesdesintra.pt