Em 2018, a Associação de Apoio à Vítima (APAV), através da sua Linha Alerta registou mais de 1.000 denúncias de potencial ilicitude na Internet, incluindo pornografia infantil e discursos de ódio. Todos os anos, mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas de cibercrime e esta é a vertente do crime económico que mais tem crescido em Portugal nos últimos anos. Reconhecendo a importância da temática e, enquanto membro do Consórcio do Centro Internet Segura desde a sua constituição, a Microsoft Portugal voltou a unir-se à Guarda Nacional Republicana (GNR) para ampliar a intervenção junto de alunos, encarregados de educação, professores, séniores e, este ano, também empresas.

Ao longo do último mês foram promovidas centenas de ações de formação por todo o país, com o objetivo de sensibilizar os participantes para a utilização da Internet de uma forma mais segura, justa e inclusiva.

Com o mote “uma internet melhor começa com cada um de nós”, foram abordadas questões como cyberbulling, furto de identidade, privacidade, incorreção das fontes de informação, vírus informáticos e dependência da internet. Este ano a iniciativa previu ainda que várias empresas acolhessem ações de formação entregues por alunos. Só nos primeiros dias, a iniciativa compreendeu 746 ações de sensibilização e chegou a cerca de 15.000 alunos, 1.200 idosos e centenas de encarregados de educação.

Assim, no próximo dia 27 de fevereiro, pelas 14h30, a Microsoft e a GNR vão fazer um balanço da iniciativa promovida ao longo do mês da Internet Segura. O evento incluirá ainda um debate e uma ação de sensibilização junto de colaboradores de diversas organizações, na sede da EDP, em Lisboa. O Colégio Vasco da Gama, do concelho de Sintra, foi um dos estabelecimentos de ensino que abraçou a iniciativa e, por isso, dois dos seus alunos vão apresentar o que aprenderam aos encarregados de educação presentes no evento.

Beatriz Oliveira,  CEO e fundadora da Bindtuning, e Fernando Resina da Silva, Partner da Vieira de Almeida – Sociedade de Advogados, levam também as filhas a palco para discutir a temática, a par de Inês Menezes, fundadora do projeto Design the Future, num painel com moderação da psicóloga Júlia Vinhas.