A Rica Granja surgiu na sequência da diretiva de 2012 decretada pela União Europeia que definia que o sistema de alojamento de galinhas poedeiras em gaiolas convencionais teria que ser abandonado ou substituído por gaiolas melhoradas. Num estudo realizado pela ANAPO, foram contactados todos os seus associados, no sentido de perceber se estes tinham planos de conversão da exploração ou se abandonavam a atividade, total ou parcialmente. O que se verificou foi que a maioria iria dizimar e a alternativa que encontraram foi a de se unirem e criarem uma só empresa, de modo a combater a falta de recursos para se adaptarem à diretiva.

Hoje, a Rica Granja produz, em média até 550 mil ovos por dia. No final de 2015 já tinham quatro pavilhões em perfeito funcionamento, atualmente exportam 60% do volume de faturação, sendo que 25% são para Israel – em 2018 exportaram quase três milhões de euros, o que se traduziu em 120 contentores enviados para aquele país. Além do grande número de euros ganhos, é com orgulho que Paulo Mota se refere à Rica Granja como a “a única empresa do setor habilitada a exportar para Israel. Segundo os parâmetros israelitas, a Rica Granja é a única empresa nacional que cumpre todos os requisitos. Cada produtor pode candidatar-se e, posteriormente, as autoridades israelitas responsáveis pela qualidade alimentar visitam os candidatos e avaliam de forma a escolher o seu exportador. Ano passado, exportámos cerca de 120 contentores, em cada contentor vão cerca de 321 mil ovos. Este ano, até ao momento já seguiram para Israel 40 contentores. É muito provável que alguém em Israel esteja, neste momento, a comer um ovo português, uma vez que, abastecemos todo o país”.

Segundo dados oficias da exportação de ovos da União Europeia para países terceiros, Portugal apareceu em 4º lugar como exportador para fora da UE. O setor de produção de ovos é um setor pequeno e cuja maior representação se resume a cinco ou seis produtores mas tem-se mostrado um setor resiliente, unido e capaz de ultrapassar os desafios que vão aparecendo.

Portugal e os seus ovos de qualidade

Desde o clima ao conhecimento dos produtores, Portugal surge no mapa como um país com a conjuntura perfeita para a produção de ovos. A Rica Granja surge como um excelente exemplo com as suas infraestruturas modernas e construídas segundo as técnicas e procedimentos mais atuais, com particular destaque para as normas de biossegurança implementadas. O controlo da alimentação das galinhas é rigoroso assim como a atividade laboratorial que trabalha diariamente para o controlo de qualidade.

Um setor pequeno com algumas batalhas

Apesar de pequeno, o setor vê-se, por vezes, obrigado a adaptar-se a tendências ou regras que vão surgindo. Neste momento, Paulo Mota refere que a tendência atual é deixarem de existir gaiolas e que as galinhas passem a ser criadas sob três alternativas possíveis: de modo biológico, no solo ou ao ar livre.

“O grande desafio é conseguir realizar todo o processo de modificar as condições de toda a estrutura de um pavilhão. E aí o número de animais será reduzido para menos de metade. Fala-se em gripe das aves e em questões que ferem a biossegurança e estas tendências tornam-se mais vulneráveis. O desafio não é só o investimento mas a questão sanitária, controlar doenças que possam surgir no exterior, o que requer mais conhecimento por parte dos produtores”, explica.

 

Comer ovos à vontade

Já foram muitos os estudos que preveniam as pessoas sobre o consumo exagerado de ovo mas hoje, a história é outra. O ovo é visto como um alimento essencial na alimentação de qualquer pessoa e quantos mais, melhor. Tal tendência verificou-se no acréscimo de produção de ovos. O ovo voltou a estar no topo de preferências alimentares da população.

Durante anos o ovo foi considerado prejudicial devido à quantidade de colesterol existente na gema. No entanto, estudos recentes mostram que isso não é verdade e que este alimento pode ser consumido diariamente sem afetar a saúde.

O ovo é dos alimentos mais completos e nutritivos que a natureza disponibilizou, uma vez que, contém proteína, niacina, ferro, sódio, vitamina B12, E, A, D e K, selénio, tiamina, colina, fósforo, potássio, zinco, riboflavina e magnésio. Tem aqui 16 boas razões para comer ovos à vontade.