As empresas que tiram partido destes instrumentos de gestão vêem o investimento recompensado. O desempenho económico é, em regra, mais positivo do que as empresas que o fazem em menor grau. Há, no entanto, ainda um caminho a percorrer em matéria de criar uma cultura orientada para a valorização da adopção e utilização das normas e certificações nas empresas, em particular nas empresas de menor dimensão.

Estas são algumas das ilações que se podem retirar do estudo sobre a maturidade das empresas em certificação e normalização, inédito no país, junto de uma amostra representativa do tecido empresarial português.

A utilização de normas na produção de bens e serviços é essencial para assegurar a qualidade da produção. Já o sistema de certificação é um instrumento que assegura o cumprimento dos procedimentos definidos. No conjunto, permitem assegurar nos processos de gestão o que uma empresa faz e como o faz. Sem estes instrumentos, a economia seria caracterizada por muito menor nível de controle da qualidade, maior incerteza nos resultados e menor confiança nos resultados finais e, com isso, menor riqueza criada.

O estudo permitiu aferir o nível de desenvolvimento da gestão de processos nas empresas e conhecer o grau de utilização e conhecimento sobre sistemas de certificação e normas e assim identificar necessidades e lacunas de capacitação das empresas.

O Índice de Maturidade das Empresas Portuguesas em Certificação e Normalização situa-se nos 61,7 pontos (numa escala de 0 a 100). Os resultados do índice são determinados pela estratégia e planeamento da gestão, os métodos e sistemas de informação disponíveis e a orientação para a utilização dos instrumentos. Esta última dimensão é a de menor desempenho, especialmente nas empresas de menor dimensão.

O estudo revela que as empresas que mais utilizam normas e certificações são também aquelas que apresentam um melhor desempenho em indicadores económicos como Valor Acrescentado Bruto e Exportações.

“Há uma relação virtuosa entre a adopção pelas empresas de sistemas de certificação e normas e a vocação e desempenho com sucesso em mercados globais”, assinala Jorge Portugal, Director-Geral da COTEC Portugal.

Este estudo foi realizado no âmbito do Programa Indústria 4.0. e da Plataforma Pi4.0, coordenada pela COTEC Portugal e insere-se na actividade do Grupo de Trabalho dedicado à Certificação de Processos e Normas Industriais, no qual participaram a APCER, GS1 Portugal, IAPMEI, IPQ e ISQ. A coordenação técnica é da responsabilidade da NOVA IMS, que apresentará o estudo num evento no dia 29 de Abril, pelas 17h30, na GS1 Portugal.