Quando é?

 “Este ano, a Eta Aquáridas teve o seu culminar a 5 de maio no início da manhã,” explica Mike Cruise, President of the Royal Astronomical Society. “É uma chuva de meteoros impressionante que acontece todos os anos no princípio de maio, com um meteoro visível a cada poucos minutos no sentido Sudeste do céu.”

O que é?

 “A chuva de meteoros da Eta Aquáridas, como outras, ocorre quando a terra atravessa vestígios de cometas, asteroides e destroços antigos deixados para trás”, explica Mike. “A Terra desloca-se a 30km por segundo, e por vezes pequenos grãos de areia e pó colidem com a atmosfera da Terra a altas velocidades. Quando vaporizado, este pó produz faixas brilhantes de luz, que todos conhecemos como meteoros ou estrelas cadentes. É um fenómeno fantástico, e se o conseguir captar, irá fotografar algo do início do nosso sistema solar.”

Fergus Kennedy, Fotógrafo Canon e criador de conteúdo, partilha cinco dicas principais para captar este momento, seguindo a sua recente viagem à África do Sul, como parte do lançamento da Canon EOS RP.

  1. O timing é tudo

 “Escolher a noite certa para fotografar a chuva de meteoros é muito importante”, explica Fergus. “A lua deve estar muito pequena até deixar de ser ver, proporcionando-lhe um cenário mágico para captar as estrelas, dado que desta forma o brilho da lua não se sobrepõe ao céu noturno. Irá querer também assegurar que não existem nuvens para conseguir a fotografia perfeita, mas não se preocupe se existirem, as nuvens podem oferecer um elemento dramático adicional às suas imagens.”

  1. Utilize aplicações para aperfeiçoar as suas fotografias

“Existem imensas aplicações ótimas que preveem o tempo em detalhe para o ajudar a escolher com confiança quando deve captar a chuva de meteoros. Dark Sky, é uma das melhores, oferecendo atualizações precisas e localizadas sobre as nuvens e a chuva. PhotoPills, é também uma aplicação fantástica criada especificamente para fotógrafos que querem captar a estética da natureza. Eu utilizo esta para localizar onde estarão posicionadas a lua e a Via Láctea num determinado momento quando estou a planear as fotografias.”

  1. Ajuste as definições da sua câmara

 “Para captar realmente imagens fantásticas, precisa de ajustar as definições da sua câmara, começando com uma abertura elevada e um ISO também elevado – ISSO 3200 f/2.8. Descobri que utilizar uma objetiva mais rigorosa, como a EF 16-35mm f/2.8L III USM é ideal para captar os detalhes da Via Láctea. Utilize um tripé e assegure que consegue o máximo de luz possível na imagem ao aumentar a velocidade de obturação para 30 segundos. Existem outras formas de aumentar a luz nas suas imagens, mas este é um ótimo ponto de partida para fotógrafos amadores e a melhor definição para um céu escuro”, recomenda Fergus.

  1. Desafie-se e crie um time-lapse

“Assim que a sua câmara estiver bem assente no tripé, experimente tirar uma fotografia do céu a cada minuto para criar um time-lapse”, sugere Fergus. “Fica melhor quando realizado automaticamente na Canon EOS RP ao escolher o modo de temporizador de intervalo, mas pode fazê-lo manualmente com outras câmaras também. Necessita de aproximadamente 25 imagens fixas para 1 segundo de vídeo, portanto assim que obtenha aproximadamente 200-250 imagens e estas combinem, consegue uma sequência de 7-10 segundos, que demonstra o movimento das estrelas referente a características do cenário. Se tiver oportunidade, fotografe com uma objetiva ultra grande angular como a Canon EF 14mm f/2.8L II USM e irá captar facilmente os movimentos do céu noturno.”

  1. Capte a beleza que o rodeia

 “Quando se fotografa o céu durante a noite, é comum que as luzes da rua ou dos carros apareçam no fundo das fotos, o que pode ser frustrante se se preparou bastante para esta noite especial. A solução é assegurar que está isolado e atento a qualquer luz de estrada numa distância que possa perturbar as suas imagens. Isto é importante com time-lapses, porque uma vez que foram sequenciados, não vai querer qualquer efeito de luz distrativo. Por fim – mantenha-se confortável enquanto disfruta as estrelas! Estar sentado na rua durante três ou quatro horas pode ser difícil numa noite fria.”