Carlos Maia, Regional Director da Hays Portugal comenta “A crescente procura e competição pelos melhores profissionais leva, naturalmente, a uma necessidade de as empresas estarem cada vez mais atentas e focadas em atração de talento. Perceber o que é que os profissionais valorizam e ambicionam é, para além de uma excelente estratégia, uma enorme necessidade.”

A maioria destes profissionais afirma estar insatisfeita com fatores fundamentais como as perspetivas de progressão, prémios de desempenho, comunicação interna, formação , pacote salarial e cultura empresarial. Entre os fatores que reúnem mais satisfação, destacam-se a localização geográfica da empresa, a qualidade das instalações, a situação contratual e os horários.

Por outro lado, quando questionados sobre o que mais valorizam num potencial empregador, indicam sobretudo a oferta salarial (83%), o bom ambiente de trabalho (75%), o plano de carreira (69%), a cultura empresarial e a qualidade dos projetos (49%).

Em 2018, os cinco principais motivos para os profissionais qualificados em centros de serviços partilhados terem recusado uma oferta de emprego foram: o salário oferecido não era o pretendido (51%), as condições contratuais não eram as pretendidas (33%), o projeto não era interessante (31%). Para os restantes profissionais os motivos passaram por: o salário oferecido não era o pretendido (47%), o projeto não era interessante (30%) e a oferta era noutra cidade/região do país (20%).