Para apoiar os profissionais de TI no desenvolvimento de uma estratégia para implementar TI no Edge, a Schneider Electric, líder na transformação digital em gestão de energia e automação, lançou um novo White Paper intitulado “Solving Edge Computing Infrastructure Challenges”. O documento aprofunda e expõe uma estrutura capaz de antecipar potenciais problemas no Edge e detalha como identificar um ecossistema de parceiros com os quais colaborar, bem como de que forma integrar e fornecer todos os componentes essenciais da infraestrutura que são necessários.

Ao mesmo tempo que oferece grandes benefícios aos utilizadores em ambientes de consumo industriais, empresariais e de retalho, os Data Centers no Edge também apresentam alguns desafios em termos da sua construção, implementação e gestão. Graças à sua natureza distribuída e ao número crescente de implementações, os ambientes de Edge funcionam, muitas vezes, sem trabalhadores no local e carecem de pessoal TI disponível, o que os torna difíceis de gerir de forma eficiente, ao mesmo tempo que garantem baixos custos de serviço e manutenção.

Um ecossistema colaborativo de fornecedores é a chave para uma implementação no Edge mais rápida, mais resiliente e mais económica

De acordo com o Worldwide Technology, “A capacidade de pré-configurar as plataformas e os dispositivos tecnológicos antes da sua expedição aumenta a velocidade de implementação e pode reduzir os custos de engenharia em 25% a 40%, aumentando a velocidade do processamento de pedidos em 20% e reduzindo em 7% os custos de manutenção.” Dessa forma, uma abordagem pré-integrada e colaborativa dentro do ecossistema de fornecedores, juntamente com ferramentas de configuração baseadas em regras, designs de referência e software de gestão baseado na cloud, são essenciais para tornar as soluções de Edge mais rápidas de implementar, mais resilientes e mais económicas para os clientes.

“Os desafios da implementação e manutenção de TI no Edge na rede impõem a necessidade de um novo modelo colaborativo”, afirma Wendy Torell, Senior Research Analyst no Science Center da Schneider Electric. “Esta abordagem altamente integrada envolve o trabalho conjunto de fornecedores e parceiros para tornar a seleção, implementação e manutenção das soluções de Edge Computing muito mais fáceis e económicas para o utilizador final.”

Esta abordagem colaborativa exige um ecossistema ‘Edge’ integrado, composto por TI e Fornecedores de Infraestruturas, Fabricantes de Máquinas (OEMs), Integradores de Sistema e Prestadores de Serviços Geridos (MSPs), que trabalham em conjunto de formas específicas para simplificar, acelerar e garantir a resiliência no Edge. O ecossistema funciona para que o utilizador final possa monitorizar e fazer a manutenção de todos os ativos do Edge, ao mesmo tempo que oferece ótimos níveis de tempo de atividade e economia para o utilizador final. O ecossistema torna-se, efetivamente, numa expansão da mão de obra do utilizador final.

A responsabilidade dos fornecedores é a de criar ferramentas simples para guiar a seleção e configuração dos Data Centers, que são otimizados para aplicações específicas dos clientes. Quer em ambientes de consumidor de retalho, industriais ou comerciais, os fornecedores devem testar e otimizar as soluções, proporcionando designs de referência e sistemas que permitem uma rápida integração de ferramentas de gestão de hardware e software.

Adicionalmente, as empresas de hoje em dia devem confiar em softwares de gestão baseados na cloud, nomeadamente soluções de Gestão de Data Centers as a Service (DMaaS), como o EcoStruxure IT da Schneider Electric, e ferramentas de Gestão de Infraestruturas de Data Centers (DCIM) no local, para gerir diversos Data Centers no Edge de forma eficiente e em tempo real. Utilizar uma combinação de soluções de hardware pré-integradas, juntamente com software baseado na cloud, pode reduzir os custos de engenharia entre 25% a 40%, ao mesmo tempo que aumenta o tempo de atividade e a disponibilidade.

De forma geral, um ecossistema colaborativo de fornecedores, parceiros, softwares e ferramentas, deve ser escolhido de forma a aumentar as exigências do Edge Computing do cliente; desde a configuração à montagem e entrega, passando pela operação, gestão e manutenção.

O White Paper Nº277 “Solving Edge Computing Infrastructure Challenges está disponível para download aqui, ou na página: http://www.apc.com/wp?wp=277