Setores estratégicos investiram mais de 9,44 mil milhões de euros em I&D em quatro anos

ANI promove, a partir de 14 de outubro, o Ciclo de Eventos - Dinâmicas para a Inovação em vários pontos do país.

180

A Agência Nacional de Inovação (ANI) vai promover, nos próximos meses, o Ciclo de Eventos – Dinâmicas para a Inovação, um conjunto de iniciativas sobre Valorização do Conhecimento, subordinado a áreas e setores estratégicos da economia nacional considerados prioritários no âmbito da especialização inteligente. Entre 2014 e 2017, estas áreas investiram mais de 9,44 mil milhões de euros (M€) em I&D em termos acumulados. Dos eixos identificados pela Estratégia Nacional de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente (2014-2020), o que absorveu uma maior despesa foi o eixo das “Tecnologias transversais e suas aplicações”, onde se destacam as Tecnologias de Informação e Comunicação. Os primeiros workshop e focus group meetings terão lugar no próximo dia 14 de outubro, no Instituto Pedro Nunes – Associação para a Inovação e Desenvolvimento em Ciência e Tecnologia, em Coimbra, e serão dedicados à área das Tecnologias de Produção e Indústrias de Processo.

Materiais, Matérias-Primas, Floresta, Agroalimentar, Água e Ambiente, Mar, Saúde e Turismo são algumas das 15 áreas temáticas que darão o mote a cada uma das ações, dirigidas a Instituições de Ensino Superior, Centros de Interface, Laboratórios Colaborativos, Gabinetes de Transferência de Tecnologia, Clusters e empresas das regiões onde decorrem.

Estes eventos, que ocorrerão um pouco por todo ao país (agenda em anexo), serão organizados em dois momentos ao longo de cada dia: da parte da manhã, “Workshops sobre Transferência de Tecnologia”, que visam a dinamização da Rede Nacional de Infraestruturas Tecnológicas, nomeadamente através da discussão dos desafios para a próxima década; da parte da tarde, Focus Group Meetings Temáticos, com a missão de testar e validar ideias de projetos de I&D em fase pré-comercial, com potencial de valorização no mercado, através de metodologias de Inovação Aberta.

TIC e Saúde absorveram 35,5% do investimento em I&D

De acordo com o relatório “Despesa Nacional em I&D por área temática da ENEI (2014-2017)”, produzido pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, com base no Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, em quatro anos, entre 2014 e 2017, os setores das Tecnologias de Informação e Comunicação e da Saúde absorveram a maior fatia do investimento em I&D: 35,5% no seu conjunto. Em 2017, a despesa em I&D nos 15 setores prioritários cresceu 8,23% face ao ano anterior, que, por sua vez, registou também um crescimento de 6,89% comparativamente a 2015.

De um modo geral, todos os setores prioritários no âmbito da ENEI têm aumentado o investimento em I&D ao longo dos anos. Naqueles que mais têm investido, destacam-se claramente as entidades empresariais e de investigação das áreas das TIC e da Saúde. Só em 2017, as despesas nestas áreas cresceram 15,6% e 13,7% respetivamente, vindo já num crescendo nos anos anteriores.