MOÇAMBIQUE aqui tão perto

Foram várias as entidades conhecidas que se reuniram para o Fórum Millennium, uma iniciativa conjunta do Millennium BCP e do Millennium BIM, para mais um momento de reflexão e debate sobre o Ecossistema Millennium Portugal Moçambique.

331

O Diretor Comercial Norte I, Millennium BCP, Joaquim Matos Dias, o Embaixador de Moçambique em Portugal, Joaquim Bule, o Presidente da Comissão Executiva do Millennium BIM, José Reino da Costa, entre outros, marcaram presença enquanto intervenientes, no Fórum que se realizou no dia 17 de outubro na cidade do Porto.

Em cima da mesa, foram debatidos assuntos relacionados com as mais diversas formas de fomentar o negócio entre estes dois países, e de que forma é que estas, proporcionam condições favoráveis para as exportações e importações entre Portugal e Moçambique.

A abertura coube a Joaquim Matos Dias, Diretor Comercial Norte I, do Millennium BCP, que realçou a importância da promoção aos desenvolvimentos das exportações portuguesas para Moçambique e de todas as condições favoráveis de investimento, desde a centralidade geográfica de Moçambique, ao assinado acordo de paz recentemente, que passa a transmitir mais estabilização ao país e confiança aos seus investidores.

Investir em Moçambique é preciso

De acordo com Joaquim Bule, Embaixador de Moçambique em Portugal, este Fórum é pioneiro porque acontece num momento politico e diplomático muito importante para Moçambique. “Este Fórum tem por objetivo promover o mercado moçambicano e apresentar as melhores soluções para as empresas portuguesas que querem investir no país”, admitiu o Embaixador, afirmando também que “é cada vez mais notório o interesse das empresas portuguesas em Moçambique”. Joaquim Bule, acredita que em conjunto, estes dois países conseguem encontrar as melhores formas de criar soluções de negócio em Moçambique. “Queremos acima de tudo, que Moçambique se torne o epicentro dos interesses das empresas portuguesas”. O Embaixador de Moçambique afirma que as economias destes dois países são interdependentes e que podem caminhar juntas. “Somos produtos da história e temos de construir um futuro melhor”.

As oportunidades de negócio

É neste sentido, que este Fórum dá a conhecer as oportunidades proporcionadas por Moçambique, representando um momento de aprofundamento da realidade da potencialidade dos negócios no país africano. Para Joaquim Bule, é fácil trabalhar com os portugueses, uma vez que têm as mesmas matrizes jurídicas, hábitos, costumes e língua idêntica. “Há condições para reaquecer a economia do país com base no investimento português”, afirmou o Embaixador enriquecendo o seu discurso. Por fim, finalizou o mesmo, identificando áreas, negócios e estabelecimentos em que a oferta local é precária ou que se revela insuficiente para comportar projetos de grande magnitude, aconselhando investidores, nacionais e internacionais, a investirem nos seus negócios, apresentando uma projeção de potenciais vendas para cada área de negócio.

Quanto a José Reino da Costa, Presidente da Comissão Executiva do Millennium BIM, durante o seu discurso, salientou que “há um enorme potencial de negócios entre Portugal e Moçambique e é necessário aproveitar estas características aplicando estratégias de investimento”. E é neste contexto que o Millennium é apresentado como a melhor solução para quem procura investir neste país, beneficiando do facto do Millennium BIM ser banco de referência em Moçambique.

Destacado como um país estável e preocupado em melhorar o conjunto dos seus negócios, Moçambique tem uma visão estratégica de fundo bem claro. É um país em desenvolvimento que possui metas e desafios para alcançar no médio prazo. Com a sua estratégia de investimento, o país apresenta oportunidades de negócios em diferentes sectores. A agricultura, máquinas e equipamentos agrícolas, turismo, indústria, setor imobiliário e construção, são alguns dos pilares para o fortalecimento da economia moçambicana. Os desafios para investir numa geografia tão atrativa como Moçambique são muitos e contribuem para que os empresários portugueses não tenham dúvidas quanto a investir no país.