É presidente da União de Jovens Empresários da CE-CPLP. De forma a contextualizar o nosso leitor, explique-nos a ideia na aposta deste projeto.

Este projeto nasce no seio da Confederação Empresarial da CPLP, como um dos pilares estratégicos da confederação. A criação da União de Jovens Empresários, surgiu da necessidade da existência de um organismo que represente a franja empresarial dos jovens empresários e dos jovens empreendedores. Neste sentido, a UJE tornou-se um pilar estratégico e um vetor de orientação, para que a própria confederação passasse a ter um organismo independente, que tenha a representatividade destes jovens nos países que falam português, de forma a fazermos negócios em português. Nascemos com a missão e visão de fazer mais e melhor, acreditando que “Juntos Seremos Mais Fortes”.

De que forma é que este organismo pode ajudar e apoiar os seus associados a serem bem-sucedidos além-fronteiras?

As empresas são pessoas e é para as pessoas que desenvolvemos a nossa atividade, ou seja, existimos para apoiar as empresas no crescimento do seu negócio. Acima de tudo, o nosso principal objetivo, depois da nossa constituição, passa pelos jovens empresários e empreendedores dos nove países, que representam a CPLP, sentirem que há um organismo que os representa e que os pode ajudar nas transações comerciais entre as empresas de cariz jovem e empreendedor, de forma a que estes caminhos sejam encurtados. Os jovens precisam de sentir que estamos disponíveis para os ajudar.

Considera que esta União de Jovens Empresários da CE-CPLP, se assume como um braço económico da confederação empresarial da CPLP?

Não só nos consideramos, como efetivamente somos um dos braços económicos da confederação empresarial da CPLP.

Consideram-se um organismo diferente, inovador e disponível para os vossos associados. Em que sentido?

Desde logo, na nossa génese, a forma como nascemos no seio da CE-CPLP é por si só, já um indicador do nosso sentido de inovação e de empreendedorismo. Aquilo que temos pautado no nosso dia a dia, é realmente empreender e nunca perder uma oportunidade para fazer, aquilo a que chamamos, de consolidar sinergias. Em todo e qualquer lugar onde estivemos institucionalmente, até hoje, temos aproveitado todas oportunidades de forma, a darmos um pouco mais o nosso contributo e colhermos dos setores políticos, empresariais e outros, as suas preocupações, tendo em vista, a otimização daqueles que são os procedimentos a ter em consideração para ajudar os jovens empresários. São as empresas que geram a liquidez nas economias, são as empresas que fazem os países avançar e são as empresas de cariz jovem e empreendedor que são o futuro. E nós sabemos que é preciso responsabilidade da nossa parte, de forma, a pudermos alavancar e ajudar no crescimento dessas empresas de forma a contribuir para as economias dos países da CPLP.

Existem para apoiar as empresas jovens e empreendedoras a melhorar o crescimento dos seus negócios. Que tipo de apostas estratégicas e empreendedoras são adotadas para garantir o sucesso dos associados?

Não existe uma forma linear de ter sucesso. Formar para inovar é uma das soluções e apostas. Esta tem e terá que ser cada vez mais, a temática para os jovens empresários que querem singrar dentro e fora de portas. O sucesso, tem muito a ver com o momento atual, com a evolução e com a estratégia que se pretende definir. Fundamentalmente, o sucesso de um empresário jovem ou não jovem, passa pela sua capacidade de perseverança, e pela capacidade de não desistir à primeira queda. E estas são as principais características que um empresário deve consolidar de forma a ter sucesso. E estas duas características, são uma tónica que nós, enquanto membros da União de Jovens Empresários da CE-CPLP, incutimos naquele que é o nosso espirito e filosofia, de forma, a que os nossos associados e as empresas que confiam no nosso organismo, possam distinguir-se, porque fazem coisas diferentes, mas acima de tudo, porque não desistem. Não desistir é o lema para se associar à UJE.

Cooperam e apoiam todo o tipo de setores de atividade?

Nós somos multissetoriais. Não temos setores de atividade específicos. Atuamos principalmente nos setores que são estratégicos para os países, ou seja, naqueles setores que têm um potencial de crescimento no momento atual. E porquê? Porque assim, será mais fácil estar dentro daquilo que é a problemática para tentar encontrar soluções.

O processo da internacionalização das empresas é um caminho natural nesta era cada vez mais globalizada. De que forma é que a União de Jovens Empresários apoia este processo de internacionalização?

A União de Jovens Empresários da CE-CPLP é acima de tudo e fundamentalmente um veículo para a internacionalização das empresas. Esse é o principal propósito, o de sermos um veículo que ajuda a encurtar caminhos para chegar onde as empresas ainda não chegaram e querem chegar. E por isso, o propósito da nossa existência é fazer com que estas relações da CPLP e dos nove estados membros, possam ser encurtadas através do nosso organismo que é um braço económico da Confederação. Internacionalizar e apoiar nos processos de criação dos negócios além-fronteiras será uma responsabilidade e bandeira deste organismo que será um braço económico da CE-CPLP. Será uma bandeira ainda a trabalhar em equipa e no coletivo para superar as barreiras que se avizinham difíceis, mas ambiciosas.

Qual a relação entre a União de Jovens Empresários e os seus associados?

Ainda nem tudo está feito. Mas acima de tudo, queremos ter uma relação estratégica com todos os nossos associados. Quando digo, ter uma relação estratégica, refiro-me a uma relação estratégica umbilical. Quando saímos do contexto empresarial, e entramos no contexto institucional, parece que saímos de um mundo e entramos noutro, ambos, completamente distintos. Nós existimos para que o mundo empresarial possa ser facilitado e só é possível ajudarmos as empresas institucionalmente se essas mesmas empresas estiverem sempre próximas de nós. Porque hoje, o tempo e a velocidade da mudança, é grande. Existem mudanças quase diariamente e é preciso estarmos preparados, ter estratégias e inverter muitas vezes, o caminho que se vai traçando, porque as coisas mudam com muita velocidade. Portanto, entendo que o caminho entre a União de Jovens Empresários da CE-CPLP e os seus associados, deve ser o da proximidade. O da proximidade com os associados, o da proximidade para ouvir as suas ideias e preocupações. Este é um caminho que nós queremos fazer, que nós vamos fazer, mas não é obviamente o caminho que já está feito.

Quais as grandes responsabilidades a ter em conta no futuro deste organismo?

Este novo organismo terá no futuro a responsabilidade de criar as condições para a interação entre todo o tecido empresarial de cariz jovem e empreendedor. São os jovens que serão o futuro destas nove nações e é com os jovens que temos que contar para diariamente fazer algo mais por este mundo. É também uma preocupação nossa, ter uma estrutura consolidada na proximidade para com os associados de forma, a colocar efetivamente todos os recursos e processos internos a funcionarem para estes.

Que apostas estratégicas estão em curso para o ano de 2020 da União de Jovens Empresários?

Neste momento já estão curso alguns projetos. Todos eles, no sentido de iniciar uma nova era a partir do ano de 2020, uma vez que, se perspetiva que de 2020 a 2030, serão 10 anos muito importantes para a humanidade e nós precisamos de ter um papel realmente preponderante e marcante para os jovens empresários e empreendedores. O mundo empresarial muda todos os dias, e é essencial pensar em estratégias diariamente. O nosso organismo tem estratégias a curto, médio e longo prazo. Relativamente à nossa estratégia de longo prazo, é tornarmo-nos uma instituição de valor acrescentado no seio da CPLP. O nosso propósito e objetivo a médio prazo é sermos uma organização que consegue levar projetos aos associados que os consegue ajudar a materializar negócios. Quanto à estratégia a curto prazo é estarmos o mais rapidamente possível, próximos dos nossos associados para que eles próprios sintam essa proximidade, de forma a sermos sempre a primeira porta onde eles possam bater quando surgem adversidades e dificuldades. Não posso dizer que tudo está feito, porque não está, porque ainda somos um organismo jovem que está a crescer dentro da Confederação, e como tal, acredito que o caminho se faz caminhando.

Ser membro da União de Jovens Empresários da CE-CPLP é.…?

Basicamente é querer estar numa rede global, onde se conhece pessoas, mercados e realidades que estão intrinsecamente, historicamente e umbilicalmente ligadas a Portugal e não só. É fazer parte de uma rede onde se pode potenciar os negócios além-fronteiras em Portugal e em todos os países integrantes da CPLP, uma vez que, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, potencia estas relações entre os vários países que a compõem. Ser membro da União de Jovens Empresários da CE-CPLP, é acima de tudo, querer mudar o paradigma empresarial da sua empresa.