No sentido de contextualizar junto do nosso leitor, que análise podemos fazer do percurso da marca em território nacional?

Nunca o papel das empresas de packaging foi tão importante como o é agora. A DS Smith continua a crescer, não só aqui, mas em todo o mundo. A trajetória em Portugal iniciou-se no final de 2016, com a aquisição da Gopaca e da P&I Displays, às quais se somaram as unidades de Lisboa, Leiria, Guilhabreu e Madeira com a recente aquisição da Europac no início do ano. Atualmente, a divisão de Packaging da DS Smith em Portugal conta já com seis unidades fabris e um centro logístico. O orgulho é que, apesar de nos termos implementado aqui há menos de três anos, somos já líderes do setor em todos os produtos que comercializamos desde packaging, displays, cartão canelado, fanfold e honeycomb.

Fazemos parte de uma grande família e, desde que a DS Smith chegou a Portugal, sentimo-nos completamente integrados. Sabemos que numa empresa com mais de 31.000 colaboradores, presente em 37 países e com mais de 200 fábricas, é uma enorme responsabilidade, mas também é verdade que estamos em crescimento contínuo e que a marca DS Smith é já muito importante no nosso país.

Parte do sucesso reside na combinação do conhecimento de todas as pessoas e de todas as divisões, no sentido de se encontrar a melhor solução. Apesar da nossa dimensão, ainda existe a essência da empresa familiar que foi fundada nos anos 40.

A DS Smith é uma empresa líder na Europa no fabrico de embalagens por medida e está especializada num design de embalagens avançadas. Que valias é que conseguem apresentar aos clientes que vos escolhem neste domínio das embalagens?

Escutamos os clientes, esse é um dos nossos valores. Escutamos o que eles nos pedem, somos atenciosos, recetivos e, com base num trabalho de colaboração, combinando os conhecimentos dos nossos especialistas em Packaging com a sua experiência abrangente a todos os setores, oferecemos-lhes as melhores soluções sustentáveis, inovadoras e diferenciadoras. Ajudamos todos os nossos clientes a aumentar as vendas, reduzir os custos e gerir os riscos.

Oferecemos um serviço local, próximo das suas instalações. Ao trabalharmos de forma coordenada e envolvendo-nos desde o início, podemos garantir a otimização da sua cadeia de fornecimento, assegurar a coerência da imagem da marca entre a embalagem primária e secundária e propor soluções eficientes.

Apresentam uma capacidade ímpar de soluções para diversos setores de mercado. É legítimo afirmar que esta é uma das vossas grandes mais valias? A capacidade que perpetuam na personalização e resposta dada às necessidades do cliente?

Há muito tempo que o packaging é muito mais do que aquilo que envolve o produto, mas é também o produto em si. E é nesse sentido que o cliente exige também a exclusividade das suas embalagens, precisamente aquilo que oferecemos na DS Smith, embalagens personalizadas à medida das suas necessidades.

Mas devo salientar que a personalização é um dos nossos atributos, mas não o maior. Não só desenvolvemos embalagens adaptadas a cada produto, como o fazemos de forma sustentável e com uma consciência ambiental. Fornecer soluções sustentáveis a todos os setores de atividade, desde o grande consumo, industrial e e-commerce, esse sim é o nosso maior atributo.

Os tempos estão a mudar e hoje os consumidores olham para a sustentabilidade da embalagem como um critério importante de compra. Como é que vocês promovem essa dinâmica da importância da sustentabilidade da embalagem?

Na DS Smith, um dos nossos objetivos estratégicos é liderar o caminho em termos de sustentabilidade. É por isso que acreditamos que acima de tudo, o packaging deve ser redefinido à luz dos desafios globais de sustentabilidade. Desde a reciclagem até às alterações climáticas, as embalagens têm de desempenhar um papel facilitador de uma economia global mais circular e temos de enfrentar os desafios de sustentabilidade de forma sistemática. É por isso nosso propósito redefinir o packaging para este mundo em contante mudança, desenvolvendo as estratégias adequadas, pensando de forma diferente, inovando em conjunto com o cliente e colocando a sustentabilidade no centro de tudo.

Os dados mais recentes revelam que as embalagens sustentáveis, aquelas que reduzem o impacto ambiental ou que utilizam materiais reciclados ou fáceis de reciclar, irão duplicar nos próximos cinco anos. Nesse sentido há que ressalvar que o cartão canelado utilizado na produção do nosso packaging tem uma taxa de reciclagem mais alta do que qualquer outro material de embalagem e recicla-se em média 25 vezes à volta do sistema!

Sente que as empresas que fomentam o seu negócio através de embalagens começam a ter maior noção da importância da responsabilidade ambiental e da sustentabilidade das suas embalagens?

Claro que sim. Como referi antes, a sustentabilidade é fundamental em todos os setores. Na DS Smith estamos cientes disso e oferecemos um produto de grande qualidade e 100% reciclável. Nos últimos anos tem existido uma crescente preocupação dos consumidores em relação ao impacto ambiental dos plásticos, à poluição por eles gerada e particularmente ao seu impacto nos oceanos e na vida selvagem e é precisamente nesse sentido que as organizações começaram a agir sobre o plástico. Tem existido um movimento crescente em torno da substituição do plástico e as empresas procuram-nos para lhes fornecer soluções sustentáveis, uma alternativa às embalagens de plástico.

Para a DS Smith qual a importância do uso de embalagens sustentáveis? A inovação tem sido um vetor essencial neste desiderato? Como o dinamizam?

Podemos dizer que as embalagens sustentáveis são o presente para garantir o futuro. Trabalhamos dia após dia em todos os departamentos para inovar. Esta inovação anda de mãos dadas não só com o que o cliente nos pede, mas também com a necessidade de adaptarmos as soluções que desenvolvemos às novas tendências globais. Desde o comércio eletrónico à indústria e à forma como compramos alimentos e outros bens essenciais do dia-a-dia, verificamos que o grau de exigência a que as embalagens estão expostas nunca foi tão grande.

Inovação e preocupação com os impactos ambientais são parte integrante da nossa abordagem e é por isso que analisamos todos os aspetos económicos, sociais e ambientais das necessidades dos nossos clientes com o intuito de lhes oferecermos uma solução global que é sustentável para todos. Fazemo-lo com recurso a uma ampla gama de materiais, experiência em desenvolvimento e técnicas de impressão, sempre apoiados por programas de inovação contínua com o objetivo de ajudar os clientes a alcançar os melhores resultados.

A sustentabilidade é um dos pilares estratégicos da DS Smith? O que têm realizado para reduzir ao máximo a pegada da vossa atividade no meio ambiente?

Na DS Smith colocamos a sustentabilidade no centro de tudo o que fazemos.  Desenvolvemos embalagens sustentáveis que fazem o melhor uso da fibra, são recicláveis e tornam as cadeias de fornecimento mais eficientes. Neste âmbito a DS Smith utiliza papeis 100% reciclados ou com certificação da cadeia de custódia, de modo a garantir que a matéria-prima das suas embalagens é proveniente de florestas geridas de forma responsável.

Com os designs adaptados aos produtos e às necessidades dos nossos clientes geramos um efeito dominó na sua cadeia de fornecimento ao reduzirmos o material de embalagem utilizado e, por conseguinte, o material descartado, o número de paletes para armazenamento ou distribuição, o número de camiões na estrada e consequentemente a redução de CO2 emitido.

Contudo, somos consistentes dos nossos impactos diretos e indiretos, desde o desenvolvimento à produção e do fornecimento à reciclagem, pelo que estabelecemos metas para nós próprios e parcerias para reduzir o impacto ambiental, como a última criada com a Fundação Ellen MacArthur.

Como vêem a reciclabilidade do Packaging e os benefícios de uma economia circular?

A circularidade do packaging constitui um aspeto básico da nossa filosofia de trabalho e é parte integrante do nosso ADN, estando diariamente empenhados em melhorar a eficiência das diferentes fases da cadeia de fornecimento. Um dos exemplos mais notáveis na DS Smith é o box to box, um processo inovador que consiste em reciclar as embalagens descartadas por um determinado negócio quando terminam a sua função. Tudo isto num período de 14 dias, evitando o abate de 360.000 árvores por ano!

Qual a importância do recente e já referido acordo estabelecido com a Fundação Ellen MacArthur para continuar a inovar em todas as vossas áreas de negócio?

O recente acordo estabelecido com a Fundação Ellen MacArthur é uma excelente oportunidade para o nosso negócio! Através desta parceria impulsionamos a nossa iniciativa sobre a economia circular e contamos com o apoio desta entidade para inovar em todas as nossas áreas, incluindo a reciclagem e a eficiência no uso de carbono no comércio eletrónico.

Face ao nosso propósito de redefinir o packaging para um mundo em contante mudança, a parceria vem apoiar a inovação no modelo de negócios da DS Smith e ajudar-nos a identificar e a avançar com projetos distintos no âmbito da economia circular.

Quais os grandes desafios da marca para 2020 e como pretendem continuar a promover a embalagem sustentável em prol do meio ambiente?

O ano de 2020 será bastante promissor. Continuaremos focados em lançar inovações para o mercado ao nível das nossas soluções de embalagem sustentáveis, reforçando a nossa abordagem colaborativa e de proximidade com os clientes com a abertura de dois centros de desenvolvimento especializado no norte e sul do país, espaços físicos onde poderão trabalhar em conjunto com os nossos especialistas em packaging para explorar ideias e estarem envolvidos na criação da solução mais adequada para dar resposta aos seus desafios.