TEMA DE CAPA

No sentido de dar a conhecer um pouco mais da marca, como surgiu a ideia da fundação da JPS Group e que resenha é possível fazer acerca do seu crescimento e contributo no mercado?

O mercado imobiliário em Portugal começou a recuperar ao longo do ano de 2015, tendo sido essa tendência de subida suportada pelo aumento da concessão de crédito por parte da banca, que tinha estado praticamente parada nos anos anteriores.
A par desta situação, começaram a surgir investidores estrangeiros, muitos deles impulsionados pelas políticas de investimento, como por exemplo as vantagens fiscais para não residentes, e os Vistos Gold, criados em 2012 mas que foram ganhando importância nos anos seguintes.

A JPS Group, atenta às oportunidades de mercado, começou nesta fase a abraçar a promoção imobiliária e a dar resposta às necessidades do mercado.

Fomos pioneiros na construção de obra nova em grande escala, para a classe média e média alta, na fase pós-crise, e fomos seguidos posteriormente por muitos outros promotores que estavam nessa altura centrados apenas na reabilitação do centro histórico de Lisboa. Esse talvez tenha sido o nosso maior contributo para o mercado imobiliário, pois os clientes portugueses simplesmente não tinham capacidade de comprar o que o mercado estava a oferecer, e nós ajudamos a mostrar que esse era o caminho, ao abraçar um projeto com mais de 120.000 m2 de construção e ao vendermos a sua totalidade ainda em planta.

Além desta dinamização do mercado, as nossas apostas têm como objetivo alcançar elevadas taxas de rentabilidade com um baixo risco, quer para nós, quer para o cliente. Contudo, é através do imenso trabalho que temos aportado, juntamente com o nosso rigor, excelência e persistência, que posso afirmar que, relativamente ao sucesso de vendas dos nossos projetos, alcançamos um crescimento acima da média.

Podemos afirmar que a aposta na construção nova e em projetos para as famílias portuguesas de classe média/alta está no ADN da JPS Group?

Sim, seguramente que esse é o nosso ADN. A JPS Group tem como missão selecionar os melhores negócios e desenvolver, projetos desde o business plan à construção e comercialização das unidades. Apostamos sim, na construção nova destinada às famílias de classe média/alta, mas sempre uma construção aliada a novos conceitos, de forma a dinamizar o mercado.

Somos uma empresa que dispõe de um conjunto de serviços integrados em todo o âmbito da promoção imobiliária e desenvolvimento imobiliário, desde a área de projeto até à venda e respetiva pós-venda. Não somos um promotor que apenas promove: nós pensamos, criamos, desenvolvemos e vendemos. Isto tudo com equipas próprias de arquitetura, engenharia, marketing, construção e comercial.

Ou seja: somos diferentes. E, além disso não nos fechamos, antes pelo contrário, estamos abertos às mais diversas propostas para desenvolvimento de projetos.  Contamos com uma equipa com uma vasta experiência que trabalha diariamente para atingir os níveis de excelência que também fazem parte deste nosso ADN. Acima de tudo, o nosso conceito integrado permite-nos conseguir preços mais competitivos para o nosso público alvo, sempre sem descurar a alta qualidade que dificilmente se encontra hoje em dia no mercado imobiliário.

O vosso caminho tem sido na construção nova. Contudo, decidiram voltar a apostar na reabilitação, certo?

O nosso caminho é e vai continuar a ser focado na construção nova. O Lapa River é um projeto de charme, muito pequeno, pois conta apenas com 10 frações e situa-se do centro histórico de Lisboa. Sendo que de um edifício antigo inserido num bairro muito tradicional, fizemos um projeto muito tecnológico porque consideramos que o mercado precisava de uma reabilitação aliada às novas tecnologias. Este projeto focou-se sobretudo em transformar apartamentos antigos em apartamentos dotados de alta tecnologia. Um projeto diferente, destinado a quem quer viver dentro do centro histórico de Lisboa com todas as comodidades e tecnologias da construção nova, inclusivamente piscina, mas mantendo o charme do próprio prédio.

Fale-nos um pouco mais do novo projeto do Royal Evolutee Villas and Apartments, uma parceria entre a JPS Group e o Grupo Albatroz.

O Royal Evolutee Villas and Apartments, é um projeto de construção nova e que está inserido num condomínio belíssimo à beira-mar, do qual fazem parte o Evolutee Hotel – Royal Óbidos Spa and Golf Resort 5*, assim como um dos melhores campos de golfe de Portugal.

Para desenvolver a envolvente residencial do Hotel, o Grupo Albatroz necessitava de um parceiro com grande know-how no desenvolvimento e construção de projetos de grande dimensão visto terem para desenvolver cerca de 600 unidades de luxo. Desta forma, vimos a oportunidade de entrar no turismo residencial dentro da Costa Oeste, que tem paisagens maravilhosas e condições únicas a 40 minutos de Lisboa. São 137 hectares com mais de 75.800 m2 de construção, com o loteamento aprovado e totalmente infra-estruturado, com a quase totalidade dos projetos licenciados, bem como um boutique hotel de 5 estrelas e o campo de golfe em pleno funcionamento.

E o que é que o Royal Evolutee Villas and Apartments, trará ao mercado?

Este novo projeto trará ao mercado um novo conceito, tanto para a Costa Oeste, como para o mercado imobiliário em Portugal. É o conceito do “ultra luxo” mas a preços acessíveis. Desenvolvemos a marca Royal Evolutee Villas and Apartments para ser vendida para primeira residência de muitos clientes, portugueses e estrangeiros, mas também para os que querem um retiro de férias próximo de Lisboa. Com estas novas construções, estamos a promover um empreendimento que vai marcar a diferença na Costa Oeste, uma vez que se trata de um “condomínio exclusivo” onde os residentes podem usufruir de piscinas privativas e dos vários serviços da unidade hoteleira de cinco estrelas, como por exemplo o club house, a piscina exterior de horizonte infinito, o ginásio e o Spa. Além disso, é possível usufruir do fantástico campo de golfe, considerado um dos melhores de Portugal, desenhado pelo prestigiado Severiano Ballesteros, onde terá lugar o Open de Portugal 2020. Ou seja, este empreendimento vai marcar a diferença no mercado português, porque oferecemos o expoente máximo do luxo, a preços considerados acessíveis para o segmento em causa, temos por exemplo moradias com piscina e cerca de 2000 m2 de jardim, a partir de 670.000 euros. Temos apartamentos turísticos com 5% de rentabilidade garantida a partir de 505.000 euros. Para um conceito de luxo máximo, são preços considerados muito acessíveis.

O setor imobiliário vive um bom momento e os últimos dados mostram que os preços das casas estão agora a suavizar. Como é que a JPS encara este momento?

Quando se fala em preços que estão a suavizar, fala-se no perfeito equilíbrio da economia do mercado, mas não teve impacto nos nossos projetos. O setor está muito mais profissionalizado e atento nesse aspeto dos preços de mercado. Percebemos também que as necessidades de hoje não vão ser as mesmas que as que existirão daqui a dois anos e a JPS Group prepara-se cada vez mais, para os desafios que vão surgir. E esses desafios vão seguir sempre a base do nosso conceito, ou seja, oferecer habitações de qualidade não entrando nas loucuras de preços.

O que distingue a JPS Group de outras promotoras imobiliárias?

Nós conseguimos distinguir-nos através da proximidade de qualidade que mantemos com o cliente e como já referi anteriormente, mantemos sempre uma qualidade máxima com preços acessíveis. No caso do Royal Evolutte Villas and Apartments até propomos o expoente máximo do luxo, a preços considerados acessíveis e é desta forma que em todos os nossos projetos nos destacamos.

O sucesso dos nossos projetos tem vindo a falar por si. Neste momento temos em desenvolvimento cerca de 1400 frações e mais de 700 já estão vendidas. Podemos afirmar que a JPS Group, faz o “fato à medida” dos seus clientes. Nós analisamos, idealizamos, promovemos, construímos e gerimos para que o resultado final seja satisfatório para o grupo e para os seus clientes.

Qual é o grande desafio para a JPS Group neste ano de 2020?

Pretendemos continuar com o projeto do Royal Evolutee Villas and Apartments, com a aposta de que vamos ter as vendas fechadas da totalidade das moradias isoladas e dos apartamentos turísticos até ao fim de 2020. Ou seja, 2020 será um ano de muito trabalho, com os objetivos focados nas vendas e também na aposta internacional, uma vez que queremos levar a JPS Group além-fronteiras. Neste momento, podemos afirmar que somos um dos maiores promotores imobiliários em Portugal em termos de números, valores de construção e volume de negócio. Os grandes desafios estão lançados, e é preciso continuar a fazer o trabalho que temos feito até aos dias de hoje.