Interior cuidado e acolhedor, onde a criatividade e o bom gosto imperam, num design com um estilo genuíno, muito próprio. Um espaço agradável e descontraído que convida a sentar e partilhar uma mesa de amigos ou mesmo colegas de trabalho.

“Sou aquilo que o meu avô me ensinou”

Recebidos com um sorriso no rosto e estimulados por uma conversa descontraída, conhecemos a Ana. E quem é a Ana Borba? É simplesmente um produto de si mesma. Sempre segura dos seus objetivos, assertiva, dinâmica, lutadora. Ensinada pelo seu avô a nunca desistir, Ana Borba admite que teve a sorte de se tornar no que hoje é através do que a linhagem lhe ensinou. “Sou aquilo que o meu avô me ensinou, sempre com os pés bem assentes na terra. Através dele aprendi a gerir um negócio, a não ter medo de errar, a aplicar tudo o que me foi ensinado, a arriscar”.

O “casamento” perfeito entre o design e a área alimentar

Formada em Design Gráfico, Ana Borba descreve-se como intensamente orientada para a obtenção de resultados e com experiência profissional em diversos setores, como a consultoria, a comunicação, o design e a restauração. Com um percurso profissional na área criativa, fez trabalhos para clientes como o Banco Totta & Açores, Barclays Bank, KPMG ou Fnac. “Adoro o meio gráfico, adoro o barulho, o cheiro, o saber como é que as coisas são produzidas. Sei o que é o processo gráfico, como este se atualizou e quão diverso é atualmente. É magnífico participar nessa mudança e conseguir acompanhá-la”.

Especificamente na área alimentar, começou por criar a empresa Giraldinha, através da qual trabalhou para clientes como a Câmara do Comércio Portugal Holanda, o Barclays Bank, a Fundação Luso-Americana, a Embaixada da Bélgica, a Rebelo de Sousa, Cunha Vaz e Associados, a Bertrand e o Lisboa Racket Center, onde explorou o restaurante “A Giralda”.

Um caminho de sucesso que Ana Borba considera “uma sorte que tem de ser agarrada. Sempre comum pouco de loucura pelo meio, mas sempre uma loucura comedida. Acima de tudo, temos de nos conhecer e saber até que ponto conseguimos ir”. Para a empreendedora é essencial conhecer todos os limites e arriscar, sim, mas responsavelmente.

“Conheço-me muito bem e nunca tive medo de arriscar. É obvio que existem áreas em que eu nunca apostaria, tenho noção dos meus limites e do que sou capaz. Mas aposto sempre na evolução, que me vai aperfeiçoando.”

Quando questionada sobre o balanço destes anos de conquistas profissionais, admite que “foram anos de crescimento muito rápido, anos difíceis em que a minha vida profissional me ocupou mais do que o desejado. Mas tudo contribuiu para o meu crescimento e aprendizagem pessoal e profissional”.

O espírito empreendedor

Com um espírito empreendedor que já vem de família, Ana Borba deixou bem claro que separa os temas profissionais e pessoais na definição da sua missão enquanto mulher e profissional. “O meu papel enquanto mulher e profissional é passar a mensagem de que é importante que as pessoas gostem daquilo que fazem e se sintam bem acima de tudo. Procurar o lado positivo de cada trabalho também é importante porque, todos têm o seu lado significante, é uma questão de realçar tudo aquilo em que podemos tirar real partido. É importante perceber que conseguimos chegar aos nossos objetivos, mas não basta querer, temos que acreditar, ir atrás das oportunidades, agarrá-las e trabalhar. Sou exemplo disso. Agarrei cada conjuntura que me apareceu para poder chegar ao lugar onde estou hoje”.